30 de outubro de 2014

TOMA-ME...


Imagem - net (autor desconhecido)



Toma-me…


Na brandura do entardecer
No suave voar de mil e uma fantasias
No ondular sonâmbulo das gaivotas
Escutando a voz sonolenta da brisa
E o assobio apaixonado dos pássaros. 

…Sem passado, nem futuro, toma-me 
Respirando quase a medo 
Descobrindo, abrindo, rasgando 
Penetrando nos sonhos que transporto nas asas. 

Toma-me… 

No agitar feiticeiro dos primeiros pingos de orvalho 
Sentindo o cheiro da terra molhada 
E pressentido com ternura o azul dos sentidos 
E o rumor dos sonhos ancorados 
Sobre espigas douradas. 

Toma-me…. 

Germinando alvoradas 
Entorpecida de arrepios de calor e frio 
Escutando o canto dos grilos 
E a melodia das cigarras 

…Circundando suavemente o vento, a brisa doce 
E o ressuscitar secreto das águas límpidas das fontes. 

Toma-me... 

Com asas de borboleta no destino 
Afagando o nascer do luar interior 
Alcançando a distância das searas 
E alimentando o romper do sol com espasmos de prazer. 

…No dilatar suave da Primavera 
Pousando beijos nos ramos das estações 
Acariciando a fruta madura das videiras 
E saboreando a embriaguez e o delírio dos bagos de uva. 

Toma-me… 

Sugando o Outono vertiginoso 
Explorando e seduzindo os céus 
Beijando como um beija-flor 
O pólen derramado na doçura de uma flor 
…Colhendo nas suas pétalas dispersas 
Todos os sonhos frescos 
E os seus gemidos selvagens. 

Toma-me… 

Sou fêmea perdida 
Ventania…e vulcão até falecer! 

Telma Estêvão