29 de março de 2015

MENINO, DE NOVO

 
 
 

Menino, de novo
 

 Convoquei-te
para uma batalha
de almofadas e travesseiros,
travessura que acaba sempre
nos braços um do outro,
em longas trocas de carícias,
onde as mãos não param de explorar
a pele e o corpo um do outro…

No meio de lençóis revoltos,
almofadas desalinhadas
reina a serenidade
de dois seres que se amam
extenuados pela valsa da paixão
que duas almas e dois corpos
acabaram de interpretar
no palco da celebração da vida e do amor…

E assim começamos
nossos cúmplices passeios
pelas veredas da paixão,
vestidos apenas com a pele um do outro,
em brincadeiras de adolescentes
porque, nisso tens uma enorme responsabilidade

A responsabilidade de me teres transformado,
de novo em menino ladino e travesso.
 
Hamilton Afonso