4 de dezembro de 2015

NO OUTONO DO TEU CORPO




No Outono do teu Corpo
 

No outono do teu corpo caminham os meus dedos, 
prendendo-te levemente a cabeça,
despenteando-te o cabelo,
afastando a roupa que escondia a pele de mim,
como se uma leve brisa soprasse as folhas caídas...
...afastando-as para descobrir o caminho 
onde se passeará uma língua que zarpa em busca 
de um porto onde escore o cordame que a prenda
em território de escuridão...
...e te arranque os gemidos e ruídos próprios da noite...
com o foco da lua, ténue e trémulo a acompanhar 
o lento caminhar dos dedos que cumprem a missão
de aplanar o caminho para a troca de afecto que fará de ti
o meu porto de abrigo...

Hamilton Ramos Afonso