6 de fevereiro de 2016

AMANHECESTE-ME




AMANHECESTE-ME

 
Amanheceste-me,
nos braços da saudade,
com a tua pele de encontro
ao meu corpo
a tua cabeça encostada 
ao meu peito…

Amanheceste-me,
no pensamento, 
forma de mitigar
a ausência de ti,
da distância que nos separa,
e que paradoxalmente
serve para solidificar 
o amor que em nós nasceu
e floriu com as fortes cores
da paixão…
 
Hamilton Ramos Afonso

Em, « Amor como o primeiro...», Chiado Editora, 2015