15 de agosto de 2017

LOUCURAS POÉTICAS




Loucuras poéticas


louco, muito louco
pelo beijo na boca
molhado, insano
livre de preceitos doidos,
sim louco, ah, muito louco
pelo beijo guardado 
a sete poemas, 
a sete poesias 
de uma alma cristalina
como a lágrima do êxtase.

totalmente louco 
pelo corpo despido
de tristezas, vestido
pela mais pura nudez 
de âmago, de palavras
soando como música
à poesia quase sem fim.

louco, mas muito louco 
por estes olhos azuis,
azul cor do mar 
azul cor do céu
azul cor do luar
rompendo a madrugada
de gritos ritos e sussurros,
pois o orgasmo
não é um detalhe, 
em todos os versos
amor.

Auber Fioravante Júnior

APETITE





APETITE


As revoluções ocorrem
a solo,
sentados à mesa.

Na onda
do bota abaixo,
no restaurante quiseste
o aperitivo
e eu subi o vestido.

Trazia os seios envergonhados
e tu a desejar
que estivessem destapados.

Rasgaste a roupa.
Trinchaste a pele.
Passaste a língua pelo molho.

Tremes.
Arrepio-te.
Suspiro.

Não quero os buracos
preenchidos com palavras.
Quero vácuo.
Tira-me o ar.

Vamos cair.
Gosto de catástrofes.

Sairemos ilesos
sem estarmos presos
a cartas predefinidas.

Agora podes pedir a comida.
Mas se não te faço falta,
não a peças.

Vamos abrir a noite
ou não tens apetite?

ANA PEREIRA

31 de maio de 2017

SOBRAM-ME OS GESTOS...




SOBRAM-ME OS GESTOS...


Já me faltam as palavras...
para te dar notícias do meu amor
gastas que estão na sua exiguidade
o verbo exaurido de tanto o usar
adjectivos esgotados para o quantificar

Ficam-me os gestos
tão mais eloquentes
as mãos para te acariciar
os braços para te acolher suavemente
cabeça encostada ao meu peito
corpos frementes de desejo
alapados abandonando-se ao doce langor
mistura de desejo e bem estar
lábios que se procuram e desfloram
na volúpia do beijo salivado

A ternura suprema de descansar
a cabeça no teu colo
os teus delicados dedos 
em volúpia acariciando-me o rosto

Faltam-me as palavras para te confessar amor
mas porque usar as gastas e repetidas
palavras se os gestos inesgotáveis
são bem mais eloquentes... 

 Hamilton Ramos Afonso

1 de abril de 2017

HOJE QUERIA SOMENTE




HOJE QUERIA SOMENTE


hoje queria somente ter o encontro permanente com o teu corpo
a liberdade de uma respiração profunda e permanecer em ti para sempre
deitada nas sombras das nuvens e voar com a minha mente ausente só sonhar, sonho permanente
onde pudesse caminhar correr e permanecer como tinta que nem saisse com diluente
somente ficar a escutar teu bater de coração urgente, troteado apressado de quem vive a liberda... de presente
nas asas de um pássaro no rastear de uma víbora nas areias desenhadas nossas peugadas
no teu chão ficar completamente como se nada mais existisse e fosse tudo da gente
uma gota de água doce delimitada por água salgada, teu corpo