31 de outubro de 2014

TÁLAMO DE VERSOS RAROS...



Tálamo de versos raros…


Arde, indelevelmente, em meu peito…
Um forte tálamo de versos raros!
Um doce ardor! Amor versando feito
Magos! minh ‘alma em nevados aparos!


Ó, meu amor! fulcro do meu poema!...
Ergo d´oiro… reino de castros,
Mil. Rubor de eflúvios… alfazema,
Na tez iluminada. A luz dos astros!...

Levas de meu ser… em supremo céu,
Inda que densas as neblinas em breu…
Que se abrem para mim, tão docemente…

Ó, meu amor! pétala de íris!… meu olhar!...
Flor púrpura extasiada… de mar,
Brotando meu fundo, serenamente!...

Helena Martins

EU, TU E O MAR…



EU, TU E O MAR…


Quando não estás perto de mim fujo
Para outro planeta, onde só há uma rosa
Vermelha a ancorar meu porto marujo
E ali fico, até o tempo voltar, em prosa.

Encontro-me no aconchego de pétalas
Que perfumam noites a laivos de um mar
Que é nosso e perco-me por ali a adora-las,
Remo até ao infinito de um recordar.

Quando não estás perto de mim amo
O universo que é tão nosso e respiro poesia
Pelos ventos de outro planeta, meu bálsamo.

Centelha pelo luar, leito de um amor
Que adormece ao meu lado até ser dia.
Eu, tu e o mar letra que desperta em flor.

® RÓ MAR 


30 de outubro de 2014

TOMA-ME...


Imagem - net (autor desconhecido)



Toma-me…


Na brandura do entardecer
No suave voar de mil e uma fantasias
No ondular sonâmbulo das gaivotas
Escutando a voz sonolenta da brisa
E o assobio apaixonado dos pássaros. 

…Sem passado, nem futuro, toma-me 
Respirando quase a medo 
Descobrindo, abrindo, rasgando 
Penetrando nos sonhos que transporto nas asas. 

Toma-me… 

No agitar feiticeiro dos primeiros pingos de orvalho 
Sentindo o cheiro da terra molhada 
E pressentido com ternura o azul dos sentidos 
E o rumor dos sonhos ancorados 
Sobre espigas douradas. 

Toma-me…. 

Germinando alvoradas 
Entorpecida de arrepios de calor e frio 
Escutando o canto dos grilos 
E a melodia das cigarras 

…Circundando suavemente o vento, a brisa doce 
E o ressuscitar secreto das águas límpidas das fontes. 

Toma-me... 

Com asas de borboleta no destino 
Afagando o nascer do luar interior 
Alcançando a distância das searas 
E alimentando o romper do sol com espasmos de prazer. 

…No dilatar suave da Primavera 
Pousando beijos nos ramos das estações 
Acariciando a fruta madura das videiras 
E saboreando a embriaguez e o delírio dos bagos de uva. 

Toma-me… 

Sugando o Outono vertiginoso 
Explorando e seduzindo os céus 
Beijando como um beija-flor 
O pólen derramado na doçura de uma flor 
…Colhendo nas suas pétalas dispersas 
Todos os sonhos frescos 
E os seus gemidos selvagens. 

Toma-me… 

Sou fêmea perdida 
Ventania…e vulcão até falecer! 

Telma Estêvão 


SOMOS A LUA NA NOITE DOS BEM-AMADOS


Imagem - Belissime Immagini 



SOMOS A LUA NA NOITE DOS BEM-AMADOS


Sou-te o rio que percorre as veias,
És-me o doce regato que satisfaz.

Somos plenos de exuberantes ideias
Que se abrem pelas águas-furtadas
Das ávidas bocas e saciam as caminhadas 
Que se elevam no horizonte ao coração.

Pelas correntes térmicas da nossa imaginação
Os corpos ondeiam-se de entusiasmos
Novos que vislumbram no audaz
E suculento néctar que nos excita.

Somos leves trapézios no azul que habita
O céu e estrelamos as águas, brilho
Contagiante dos olhares venturados.

Somos a lua na noite dos bem-amados,
Mutantes transparecem os corpos suados
Lubrificando o dia, vê-se o amanhecer, brilho
Que reflecte a luz dos nossos orgasmos.

® RÓ MAR