11 de novembro de 2016

... NUANCES DE FLORES




... NUANCES DE FLORES


entregar-te-ei o meu corpo em nuances de flores
para que escutes na melodia dos ventos 
os ecos de todas as sombras das minhas cores
são essências abertas às mantas das pétalas
sedutoras e explosivas num silêncio sem som
no completo canto de um silêncio quase emitido
porque se escutam as sementes a vencer
na abertura da terra o universo a presenciar
o meu corpo te entrego sem cor por te amar

*amor incondicional

Ana Carvalhosa 


10 de novembro de 2016

UM DIA DE OUTONO




“UM DIA DE OUTONO”


Na tua boca virginal, bela e cheia de pejo,
Nos teus lábios plenos de desejo e emoção
Dei um profundo demorado e longo beijo
Que até penso que nos chegou ao coração!

Era a hora em que as gaivotas vão passando
Em altos e amplos voos para os seus ninhos;
Éramos acariciados por um vento brando
Enquanto nos mimávamos com carinhos.

Teus cabelos eram pedaços de sol desfiados
Que eu, feliz, conseguia suster na minha mão.
Na areia ficavam as pegadas da nossa união.

Regressamos a casa na calma e descansados;
Passou-se mais um dia de Outono, frio agora;
Não arrefeceu a paixão que no coração mora!

Alfredo Costa Pereira

6 de novembro de 2016

POR TODO CANTO




Por Todo Canto


Por toda chama que me queima
Por todo o corpo ardo em combustão
O amor mais rico meu canto poema
Escritor do meu templo e coração
Nomeio-o mais lindo nome que chamo
Nas rimas que o vento suave chapisca
Nas riscas do tempo apressado te amo
Na condição da poesia cujo destino risca
No topo do conjunto o mel puro encanto
Em total liberdade na forte estrutura 
Na fonte do verso varonil onde me pranto
O doce costume faz do beijo mais bento

Por todo canto da boca adocicada loucura
Na longitude da alma amor é pecado isento.

Son Dos Poemas 
Sônia Gonçalves


2 de novembro de 2016

JARDIM DOS MEUS BRAÇOS




Jardim dos meus braços


Do jardim dos meu braços
nasce e germina um amor perfeito
sempre que docemente descansas a
tua cabeça, recostando-a no meu peito

Os afagos de que o desejo se alimenta
despertam a vontade do beijo que sofregamente nos damos, 
perlando os nossos rostos com gotículas de sal
enquanto as nossas roupas lentamente juncam o chão.

Misturas de cheiros, de suor de dois corpos em êxtase,
levam ao clímax ansiado em espasmos síncronos de músculos 
e mentes em lassidão prazerosa e então abandonas-te dolente
e satisfeita no jardim dos meus braços.

Hamilton Ramos Afonso


15 de outubro de 2016

... NA RUA ASFALTADA DO NADA



Ana Carvalhosa

SEI QUE TUDO FOI ILUSÃO...




... UMA MEMÓRIA SÓ NOSSA!

Ainda se escuta o som 
dos nossos gemidos pelo ar,
Palavras ditas na linguagem dos amantes
quando na penumbra da paixão, 
soltam toda a sua emoção.

Eu ainda sinto, as tuas mãos trémulas
procurando por mim, 
as tuas pernas a deslizarem
pelo cetim do lençol e os teus dedos a deixarem
a marca do desejo na minha pele de seda
faminta desse amor há tanto tempo sonhado.

Naqueles instantes derrubamos as muralhas,
os nossos corpos passaram todas as pontes
dessa paixão, que agarrou todas as migalhas
de um amor que correu por serras e montes
e acabou rendido aqui nesta cama, 
entre quatro paredes...

A cama está quente, 
eu ainda viajo no mundo dos sonhos!
Só que a lucidez 
do que somos e do que fomos no momento
começa lentamente a voltar para a minha alma.

Sei que tudo foi ilusão, 
mas esse tudo também é uma boa recordação.

Poucas horas passaram 
desde que as nossas bocas se uniram,
nos minutos longos 
em que dos nossos corpos se soltaram
e navegaram nas ondas de desejo 
em que mergulhamos sem pensar no depois.

O meu corpo começa a arrefecer 
e antecipa o que vai acontecer

Essa será para sempre uma memória só nossa!

Porque a felicidade não se apaga, e o amor não acaba
Apenas passa para o outro lado da história!

E o momento passou, a memória já o guardou
O corpo sente o frio e alma já vê o futuro...

@ Angela Caboz

12 de outubro de 2016

EU TE AMO




Eu te amo


E este amor me faz ter
seu semblante diante de meus olhos.
Eu te amo como se ama...
algo inestimável e precioso. 
Te amo cada vez mais
a cada dia, a cada instante muito mais...
Eu te amo por completo 
desde o dia que falou que me ama
e assim completou o que era 
metade no meu coração.
Te amo... Te amo...

Madalena Lessa

AQUELE POEMA




AQUELE POEMA 


Numa imensidão de caracteres 
Um oceano da mais bela poesia
Uma mensagem para viveres
Com pensamentos de alegria

Palavras recheadas de Amor
Para apaixonar os corações 
Como o rufar de um tambor
Para acordar todas as nações 

Linhas preenchidas com magia
Como uma leitura obrigatória 
Preenchendo o nascer do dia
Como se fosse uma linda história 

Quadras compondo uma canção 
Musicada com notas angelicais
Para despertar o amor e a paixão 
Dos prazeres mais confidenciais

Paulo Gomes

LAREIRA ACESA




Lareira acesa


Lareira acesa em fogo vivo,
com a lenha a crepitar 
no rito devorador do fogo
a contrastar com o aguaceiro
que cai lá fora 
acompanhado daquela brisa desagradável
que arrasta os pingos da chuva
e nos molha, obrigando-nos ao malabarismo
de rodar o guarda-chuva, 
para tentar evitar o inevitável...

O langor do calor que impregna o ambiente,
convida ao enroscar de dois corpos
no abrigo de um colo acolhedor, 
ancorando-nos no amplexo de dois braços
que nos acolhem, nos abraçam sem sufocar...

As carícias e os mimos da paixão e do desejo
fazem com que o chão da sala fique juncado 
da roupa que nos cobria a nudez e então os dois descobrimos,
com prazer e volúpia que a roupa que melhor nos assenta
é a pele um do outro, cobrindo-nos e aquecendo-nos...

Como é bom descobrir, 
que até com o calor da lareira a aquecer-nos,
há arrepios e suores frios que nos são sublimes, 
e contradição, nos aquecem o coração...

Hamilton Ramos Afonso

25 de setembro de 2016

A CANTIGA DE VOCÊ




A Cantiga de Você 


Comer, beber, rezar e amar-te sem pudor
Ouvir tua voz ressoar transcender ao boreal
O acorde mais lindo a lira musical
Rompendo a barreira do som num eco d'amor

Trazendo ao meu encontro teu canto teu beijo
O timbre mais bonito a sonora canção
A melodia mais linda é ouvir teu coração
Teu lírico canto margear a fonte do desejo

Há magia na voz que fabula o fabuloso
A sensitiva possibilidade que tudo traduz 
O poema mais libidinoso que inspira e seduz
O instrumento que te simula num tom harmonioso

Refestelo-me feito um peixe ao desfrute na piracema 
Querer-te bem por todo tempo deixe-me te querer...
É tão bom morrer nos braços de quem nutre nosso viver...
A cantiga de você é assim o mais perfeito poema.

O melhor beijo sempre será diante da tela e na boca
O sonho mais concreto e poético é realizado sem pejo
A vida ás vezes é contradição caminha feito caranguejo 
Na contra mão dá-te visão ávida e louca...

Falta-me o ar nos pulmões ao ouvir-te confissão
A mais afinada e melodiosa trilha é teu vocal
O tom amoroso da tua voz é suave, sereno, madrigal... 
Canta sonoridade a tua voz é acorde linda canção.

Son Dos Poemas 
Sônia M. Gonçalves 


11 de setembro de 2016

USA-ME!




Usa-me! Sim, estou aqui agora, usa-me! 


Usa-me! Sim, estou aqui agora, usa-me!
Mostra-me a intensidade desses sentimentos que moram dentro de ti. Deita cá para fora, todo esse desejo que tentas suicidar, quando escondes tudo o que estás a sentir.
Ontem, ao passar por ti naquela rua estreita, senti a fogueira da tua tentação a arder. Disfarçavas um olhar para o meu decote. Mas, eu senti como tudo em ti ardia naquele instante. Não conseguias ocultar o desejo que te consumia. Então, aceleraste o passo, para saíres dali. Tinhas receio que incendiasses tudo à tua volta, tamanha era a vontade que tinhas de me tocar. A vontade que te perseguia e o desejo imenso de que eu fosse tua.
Sabes, uma mulher não precisa de olhar para um homem para se sentir desejada. Por vezes, o odor do desejo masculino é tão intenso que se entranha em nós. Sentimos na nossa pele o calor da vossa tentação. E, foi essa certeza que tive ontem. Tu desejas-me, como se não existisse amanhã. O teu desejo era tanto, que tu fugiste dali a sete pés. Amavas-me, e, ao mesmo tempo tinhas medo dessa paixão que te consumia.
Hoje, estou de novo aqui. Por isso, usa-me. Faz-me tua. Mostra-me tudo o que sentes. Por instantes, julguei que o hoje não vinhas. Que passarias por outra rua, só para não teres de te cruzar comigo. Mas, o meu coração de mulher sábia, sabia que tu não és homem de fugir ao amor.
E, aqui estás tu. À minha frente. Hoje, decidi acampar no meio da rua. Assim, tens passar sobre mim para continuares o teu caminho. Hoje, decidi que não irias fugir de mim.
Vá lá, usa-me. Eu sei que te apetece abraçar-me. Vejo isso no teu olhar. E, também sei que depois desse abraço te entregarei o meu corpo. O abraço será apenas o primeiro passo para deixares de sentir esse embaraço. Quando me abraçares tudo deixará de ser estorvo. A tua mente deixará de pensar e será o coração que te vai dar ordens.
Não te demores. Não gastes o pouco tempo que temos para pensares. Deixa isso para mais tarde. Chega-te mais para mim e usa-me. Junta o teu corpo ao meu. Sente a batida do meu coração no teu peito. Deixa que as tuas mãos façam uma viagem por mim. Escuta os ensinamentos do teu coração. Ele sabe exactamente a rota que tu queres seguir. Deixa-te levar, deixa que o desejo se solte de ti. Ele sabe tudo o que vai encontrar. Os medos vão desaparecer. O calor vai aumentar e as humidades vão aparecer. A paixão acaba sempre por ganhar esta batalha.
Deixa sair todo esse amor que existe dentro de ti. Ainda não percebeste isso. Vamos dividi-lo pelos dois. Vamos partilhar esta paixão que nos atormenta. Este desejo que te implora por mim. As tuas mãos que querem tocar o meu corpo. Vem usa-me. Hoje, serás o só meu. Hoje é o nosso dia. Não deixes que o amor nos mate. Não deixes que esta paixão morra.
Ama-me. Usa-me. Vamos ser felizes aqui e agora. Deixa tudo o resto para depois. Tenho saudades de te conhecer, ainda antes mesmo de te ter provado. Mais logo, quando a noite amanhecer falamos sobre este sentimento que descobríamos que existia em nós. Juntos, perceberemos o que fazer com ele. Mas agora, usa-me e não penses em mais nada.

Angela Caboz


18 de agosto de 2016

NÃO FALAMOS


Foto: Alicia Marie


NÃO FALAMOS 


Nunca fui reta.
Andei em ziguezague
e por vezes em paralelos.
Facilmente escorreguei.

Hoje,
olho para o espelho
e o que é faminto,
obsceno
repousa nos fios dourados
da cabeça
que não pensa.

Mastigo as palavras
que me ardem nos olhos.
Mantenho-me direita
para digerir bem
os alimentos quentes.
Dispo-me do que não faz falta.

Sento-me
e a temperatura sobe 90 graus
e do lado oposto
ficas tu e rasas tudo
sem planos inclinados.
Apenas horizontais ou verticais.
A temperatura sobe 
aos 180 graus.

Fica o corpo incandescente
que germina feito semente.
Damos um giro de 360 
no enlace.

Do chão surge a solidez
do que nos suporta.
A vida existe na
fértil humidade.

Ecoa o silêncio dos corpos.
Não falamos.
Poetizamos apenas.

Ana Pereira


2 de agosto de 2016

FESTA DA VIDA




FESTA DA VIDA

 
Duas almas
que apreendem as semelhanças
dois corpos que ardem de desejo
bailam no palco da vida 
ao som da canção do amor
descobrindo as cores da paixão
os sons e sabores da felicidade.

No fim da dança dos corpos
peles orvalhadas,
ninho de braços, em afecto se derretem
cheiros que fazem intercâmbio na pele
e as memórias de cada um ancoradas
aos céus daquelas bocas 
que ainda sugam, sôfregas, 
o mel do Amor.

Hamilton Ramos Afonso
 

9 de julho de 2016

AMO ENCONTRAR-ME EM TI




AMO ENCONTRAR-ME EM TI


quando dedicas teu corpo ao meu...
e as águas de tão salgadas 
dão vontade de abraçar e beber...

quando largas o teu perfume...
e o sonoro das vagas despejas em mim
até que nada mais querer...

do que abandonar o olhar doce
para te voltar a contar a vida
o segredo que me faz esquecer

porque a vida é um suspiro 
e eu amo encontrar-me em ti
para te agradecer e viver

Ana Carvalhosa


SENTIMENTO DE PAIXÃO




SENTIMENTO DE PAIXÃO 


Meus lábios nos teus
Minha mão na tua
Sinto-me a voar nos céus 
Sinto-me a tocar a lua 

O teu olhar em mim fixado 
O teu desejo demonstrado 
Sinto meu coração trespassado
Sinto que estou apaixonado

Meus dedos em ti tateiam
Meu corpo busca o teu
Meus desejos por ti vagueiam
Num desejo íntimo meu

Minha saudade não tem fim
O meu querer é insuficiente 
Nada mais importante para mim
Sentimento de Amor ausente

Paulo Gomes


5 de julho de 2016

UM OLHAR FELIZ...


Gardenia by Gardenia - art by Cindy Press


Um olhar feliz...


Deitei-te em meu colo com ternura
Passei minha mão pelos teus cabelos
Olhaste-me com total desenvoltura
Com esses olhos que são tão belos
Quis o destino que eu te amasse
Logo na nossa primeira vez
E teu olhar logo topasse
Com a verdade que neles se fez
Admiro a tua meiguice
Eu to digo com naturalidade
Não julgues que é uma chatice
Olhar-te com sensualidade
Pediste-me para te dizer
Palavras lindas ao ouvido
E estas são minhas, podes crer
E bota nelas o teu sentido
Olhaste-me debaixo para cima
Ali deitada a meu lado
E minha alma desatina
Por não te poder cantar seu fado
És bela e o sabes bem
E me desafias dessa maneira 
E a teu lado julgo-me alguém
Que um dia pode fazer sua asneira
Tenho em mim uma paz interior
Depois que contigo falei
Deste-me um olhar com tal calor
Que todo ele, em mim calei
Anda, levanta-te e vem comigo
Vamos dar uma volta por aí
Quero conversar contigo
Sobre aquilo que por ti senti
E depois levar-te-ei a um sítio
Que há muito espera por nós
E te mostrarei como é bonito
Quando um de nós fica sem voz

Armindo Loureiro


29 de junho de 2016

A NOITE É O MANTO DOS TEUS SONHOS





A NOITE É O MANTO DOS TEUS SONHOS


A noite é o manto dos teus sonhos
A ilusão que dá vida ao teu corpo.
O brilho dos meus olhos que mostram
o caminho pecaminoso à tua alma!

Sonhos que são reflexos coloridos
nas horas em que o coração se sente esquecido
e nada mais quer do que ser aquecido
por sentimentos que lhe dêem calor.

Amor sentimento de criança
a quem o mundo consente ter esperança!
Anos mais tarde troca os sonhos pela realidade.
Paixão de mulher adulta a quem o desejo
todos os dias corteja.

Divide beijos,
partilha emoções, despe o corpo com sensualidade,
compartilha o amor sem pensar na idade!

Oferece tentação colorida com reflexos de sedução.

No fim da noite, despida de atrevimentos
Adormece na transparência do amor...
Abraçada a quem lhe vendeu prazer em troca
de sonhos que o mundo não pode conhecer!

Acorda com o mistério no sorriso.
Faz eco da sua felicidade no abraço
que lhe é emprestado!

Devolve o beijo que lhe foi roubado com a promessa
de que à noite voltará de novo, mas sem pressa!

Angela Caboz


25 de junho de 2016

MARCAS DE SAUDADE...


photo via Paulo Laureano Suzana Braga Tina Mandis Artes e Entretenimento



Marcas de saudade...


E quando saltas pela janela
Para me fazer uma visita
Isso é a coisa mais bela
Que me dás à minha vista

Vejo tua sombra enorme
Dependurada na abertura
E logo sinto uma fome
Para colmatar a minha agrura

Tenho dias em que a solidão
Me dá só para pensar em ti
Já que é essa a minha paixão
Por ti eu sempre me derreti

Ficam marcas de saudade
Quando tu de mim abalas
Essa é que é a grande verdade
Meu querer tu jamais calas

Não quero que te afastes de mim
Quero-te ter sempre a meu lado
Tu que és uma flor no meu jardim
És para mim um belo cravo

Um cravo que deita um cheiro
Que me inebria por demais
Eu te quero todo inteiro
Quero por ti dar os meus ais

E quando passo naquela esquina
Onde te vejo a aproximar
Meu olhar fica traquina
E olha no teu a se pasmar

És um Mago que sabe ser
Alimentas minhas fantasias
Contigo vem ao de cima o prazer
Desse Mago onde há magias

Tuas palavras silenciosas
Despertam todo o meu eu
São frases que de airosas
Fazem-me ir daqui ao céu

Armindo Loureiro 

23 de junho de 2016

O (A) MAR E A MARESIA


Imagem- Bellissime Immagini



“O (A) MAR E A MARESIA”


Vem... segue a onda que te pisca,
Suga o mar pela íris dos meus olhos,
Pesca-me pelo desejo da maresia,
Bebe os salgados lábios sereia.

Desenha o teu rosto pelos meus seios,
E, pinta o meu corpo pela areia...
No vento que se ondula nos cabelos
Sacia o instinto de marinheiro.

Vive este presente que o mar
Dilata nas marés de aventureiro,
Vem provar as surpresas do verbo amar.

O dia é oportuno, morde a isca,
Não morrerás... renascerás em poesia
Que vingará... o (a) mar e a maresia.

© RÓ MAR


22 de junho de 2016

A TUA BOCA...





A tua boca...
 

A tua boca, 
minha tentação
quando
olhando teu rosto
se escancara 
num sorriso, 
naquele gaiato sorriso 
com que me trazes
enfeitiçado...

Duas tentadoras gomas
franqueiam-me o caminho,
para o seu interior, 
transformando-a 
no salão de baile
onde nossas línguas, 
traquinas e irreverentes,
dançam
a valsa do amor...

Hamilton Ramos Afonso

In, Amores como o primeiro - Chiado Editora

... AS PALAVRAS DO MEU CORAÇÃO!





... AS PALAVRAS DO MEU CORAÇÃO!



Escuta-me!!!
Sim, ouve as minhas palavras.
Lê o meu olhar.
Escreve sorrisos no meu coração.

Amor. Carinho. Sedução.
Sabes o que são estes sentimentos?
São letras que não escrevem sofrimentos.
Palavras que riscam lamentos.
Frases onde só tu existes!

Viver. Desafiar. Sentir. Conquistar.
Tudo o que  fazemos por quem amamos.
Palavras que na paixão encontramos.
Desejos que brilham nos nossos sorrisos.

Somos o sonho de alguém
Porque o amor não nos deixa ser de mais ninguém...

Escuta-me...
Ouve as palavras do meu coração!
Sente o desejo do meu olhar.
Toca o amor que existe na minha alma...

Amor. Razão. Corpo. Sedução.
As palavras que não explicam o que sinto.
Para o amor não existe razão!
A carne deseja mais do que frases.
As mãos escrevem para além do amor.
São mais do que simples lápis de cor.
São as linhas da sedução
que encontraram em ti a rota da paixão.

Escuta-me!
Não tenho palavras para ti.
Apenas este sorriso sedutor
de quem por ti sente tanto amor...

Angela Caboz


MOMENTOS DE LOUCURA...


Arkady OSTRITSKI - Sensuality in Art



Momentos de loucura...


E ali os teus mamilos
Eretos virados para o céu
Quem me dera vir a senti-los
No céu da boca que é o meu

Ver os teus olhos brilhar
De grande satisfação
Quando os estiver a apalpar
Com os dedos da minha mão

Senti-los a crescer
Sentir o seu belo odor
Em teu corpo ver aparecer
Os desejos de fazer amor

Ele há pedras seculares
Que se perdem no interior
Da beleza desses olhares
Onde silencio a minha dor

Apago certas evidências
Dum momento de loucura
Dou-te as minhas apetências
Tu és única, ó formosura

E agora o que dizer
Por te ver assim deitada
Sabes bem como dar prazer
E seres o bem por mim amada

Armindo Loureiro

20 de junho de 2016

VEM SENTAR-TE COMIGO





VEM SENTAR-TE COMIGO


Vem sentar-te comigo no CCB.
Não sou dama.
Não sou rainha.
As cartas que deixo
não são de amor.
Apenas gosto de jogar.
Não tenho ouro
para te entregar.

Vem sentar-te comigo no CCB.
A cama é a mesma.
Apenas tem lençóis lavados
dos corpos suados.
Na frincha da porta
há gritos de fogo
diluídos.

Vem sentar-te comigo no CCB.
Não sei as horas.
Gosto mais de quartos
embora deixe as meias
pelo chão,
mãos alheias que piso.
Preciso apenas de segundos
para te conhecer ao minuto.

Vem sentar-te comigo no CCB.
Mesmo de vestido,
seja ele comprido,
adivinhas as curvas da vontade
na nudez hibernada.

Vem sentar-te comigo no CCB.
Deixo as coxas apertadas
Para que não deixe escapar nada.
Consomes a minha timidez
e deixo as portas se abram de vez.

Vem sentar-te comigo no CCB.
Cultiva-te.
Tudo recomeça.
Sem pressa.
Não falaremos latim.
Dizem que é uma língua morta.
Aqui não será assim.

Vem sentar-te comigo no CCB.
Prometo deixar-te tocar-me nas costas
e deixar-te dançar com
a nudez que não está à mostra.

Vem sentar-te comigo no CCB.

Ana Pereira


16 de junho de 2016

MINHA PÉROLA DO OCEANO


photo by Stephen Warren 


MINHA PÉROLA DO OCEANO


Minha pérola do Oceano
Que é espaço pleno no meu coração
E na alma a grande tentação
Aceita o meu verso, belisca este corpo insano.

Da tua boca só vejo doce mel
O pólen que fervilha no batel
Deste marinheiro de doces águas
Que vive o compulsivo desejo das faces tuas.

Das rubras e curvas silhuetas
Quero apenas o leve sabor das margaridas,
Flor dos campos, que em loiros cabelos
Traz seus encantos, ondas e castelos.

Minha pérola do oceano
Que é o vibrar marejado da alma
E no coração o sonho da paixão
Em vestes de corpo e alma.

© RÓ MAR


DUAS PELES EM FOGO...





DUAS PELES EM FOGO...



Quantas vezes fui o cordeiro do sacrifício
no altar do amor,
na ara do teu corpo,
submisso amante, 
marcado pela volúpia do teu amar,
escutando a litania dos teus gemidos de prazer
em sussurros primeiro, quase inaudiveis,
em tumulto ao aproximares-te do êxtase
para me abandonar completamente exausto...
... a pele marcada a sal e outros fluidos
prova da completa ligação química 
das duas peles em fogo...
 
Hamilton Ramos Afonso


NESTA HORA...


Tomasz-Rut - Sensuality in Art - Photography



Nesta hora...


Naveguei dentro de ti
Às quatro da madrugada
Que beleza que eu senti
Em ti ó minha amada

Eram quatro da madrugada
Mas podia ser noutra hora
O que importa é ser-se amada
Na hora em que a gente chora

Chorar de satisfação
Chorar com o enredo
Vem ao de cima toda a ilusão
E da paixão até tenho medo

Voltaria a tentar fazer
Amor às quatro da madrugada
Desde que sentisse o prazer
De te ter ó minha amada

Isto não é atrevimento
Mas apenas uma constatação
Da passagem dum bom momento
Em que o amor se colhe na mão

Coloco as mãos sob teu corpo
Dou-te belas espectativas
Levanta-se o que está torto
Escrevem-se belas missivas

O lápis de cor encarnada
Deixa a tinta a escorrer
Numa folha alavancada
Com o espírito do saber

Haja, pois, um bom trabalho
Seja lá às horas que for
Mesmo agora que pouco valho
Dou valor ao fazer amor...

Armindo Loureiro


CISNE ENAMORADO



JOAQUIM JORGE DE OLIVEIRA


15 de junho de 2016

… DAQUI ATÉ AO ALÉM


Imagem - Anna Razumovskaya - Sensuality in Art



… DAQUI ATÉ AO ALÉM


Entra, a porta está aberta, está na hora
De visitares o universo, outra margem sonora!
Traz coisa pouca, apenas os teus sonhos,
Que cuidarei demais, como ninguém!

Entra, mansinho, na mansão do amor,
Janelas arejadas, vista para o Tejo!
Corre em mim um rio, engendrado pelo teu ardor,
Que te mergulhará ao melhor desejo!

Entra, na minha cama, nos meus sonhos,
E afina com o teu ser, os lençóis do desejo,
Na maciez de pele, em troca de um beijo
Que te darei, em prazer, daqui até ao além.

© RÓ MAR


ORALIDADE (2)




Oralidade (2)


O compasso das pernas na máxima amplitude
que a flexibilidade de um corpo sequioso de prazer lhe dá, 
deixa à vista a rosa resguardada no vértice do ângulo de abertura,
onde, um colibri sequioso recolhe o almiscarado néctar,
misturando-o e envolvendo-o com a saliva
da língua transformada em hábil e teso bico, 
recolector...

NAVEGUEI EM TI...


photo by Paulo Laureano Suzana Braga Tina Mandis Artes e Entretenimento



Naveguei em ti…


Uno as minhas mãos às tuas
Subo o rio junto contigo
E vejo nessas margens nuas
Algo de ti de que sou amigo

As nuvens pairam sobre nós
Neste tempo agreste e frio
Navego contigo a sós
E do teu casco jamais me rio

O vento que dispersa o céu
Nesse azul e branco de se ver
É um vento que se tornou meu
Quando a ti te leva o meu prazer

Materializei estas minhas quimeras
Num amor que tenho em mim
Há mulheres que são tão beras
Desconheço porque são assim

Repouso tranquilamente em teu leito
Escorrego por teu rio de mansinho
Jorra amor bem a preceito
No teu leito tu és meu miminho

Fico preso no teu belo olhar
Quando desces pelo rio abaixo
Há navios que se querem amar
E o teu é aquele onde eu encaixo

Iço a vela do meu amor
Viajo para além do tempo
O vento suão dá-me o seu ardor´
No calor daquele belo momento

13 de junho de 2016

O ENTERRO


Foto: Ruslan Lobanov


O ENTERRO


São 3 da tarde.
Vamos a um enterro.

Despe a tua melhor roupa.
Aquela que assenta 
que nem uma luva
no meio do chão.
Deves ir apresentável.

Aviso-te
que o enterro é no Sul.
Assim já sabes que podemos
perder o Norte.

Atravessamos a casa da morte.
Abrimos a noite.

Nestes casos nunca se sabe como
devemos estar.
Julgo que apenas 
haverá posições a adotar:
De pé a olhar;
Sentada para sentir;
Ajoelhada para venerar.

Sentes o sabor
do perfume
líquido das rosas 
na boca.

Soluço entre as pernas.
Agitas as águas.
Depois de semear ventos,
colhes tempestades.
Não contenho as lágrimas
e elas escorrem nas palmas
das tuas mãos.

Caio de joelhos.
Fico suja de terra.
Já nada tenho para vestir.

Pela boca morre o pexe
e eu digo que é pela boca
que nascem as árvores
de tronco viril.

Ecoa o cântico orgásmico
pelas paredes dos corpos.

Sinto o fogo a consumir-me
até me cremar.
Enterras-te comigo
dentro de mim.

Ninguém sabe 
que morremos.
Ressuscitamos ao terceiro dia.

O sinal é o cântico que ecoou aqui.
Ouviste-o?

Ana Pereira
 

EU TE AMO





EU TE AMO


Hoje queria apenas ser caça,
entregar as ânsias secretas,
matar estas dores inquietas,
permitir-me estar bem lassa.

Hoje não queria a mordaça,
nada de normas nem metas,
esquecer de rimas e poetas,
tornar-me só fogo e fumaça.

Ah! Me abraça tremendo desatino,
um querer tão forte, tão assassino,
que - de meu menino - eu te chamo.

E no imo, minhas forças me deixam
pois, no coração, letras se enfeixam,
gritando claramente um "eu te amo"!

Silvia Regina Costa Lima

NAMORADA DO TEMPO





Namorada Do Tempo


Hoje acordei com um cântico...
Era dia dos amantes enamorados
Pensei logo num filme romântico
Puro feitiço e rito, encanto apaixonados...

Dia de São Valentim murmurei...
Lembrei logo de ti e de mim
Quando foi que me enamorei?
Talvez naquele tal beijo festim...

Olhei-te unguento como a camomila
Conspirei-te no vento e voo da libélula...
Na boca doce com sabor de amarula
Na ponta da língua com pecado da gula...

Os sentidos embriagados como se tequila...
O encanto do nosso reino em ajuntamento
A cintilação encarnada n'alma e pupila
A oração formatada na pele á poesia...

Nós namorados enfeitiçados a pura magia...
Prontidão dos órgãos calor e motim
O antídoto bebido nas águas do lívido dia
O baile á fantasia o fogo, o amor e o estopim...

Tu cavalheiro audaz e ternurento...
Além do tempo infinito do horizonte
Deus do Olimpo habitante do vento
Namorado dos sonhos amado amante...

Son Dos Poemas 


5 de junho de 2016

DESPERTAR DOS SENTIDOS



… ASSIM AS FLORES VIVEM


Imagem - Zzig


... ASSIM AS FLORES VIVEM


Hoje vou sair de mim e perfumar-te...
Ser assim, face-a-face ao mar e tudo
Descobrir, teus encantos, mergulhando
A alma pelos teus-meus olhos e espelhar-te...

Luz da existência que alastra os universos
E traz ao dia o gosto especial de amar...
Em ti o reflexo de meus doces beijos
E em meus lábios sal... vida a refrescar.

Dizes-me com carinho que sou rosa,
Flor do teu sonho e meus botões florescem,
Caminho de virtude... ao mar formosa.

Hoje vou ser assim... pétalas que enlouquecem
O oceano... o abraço longo que vou dar-te
Faz-te o astro maior... assim as flores vivem.

® RÓ MAR


DOCE PAIXÃO




“ DOCE PAIXÃO “


Eu quero o teu carinho e afeição
Que muito bem tu sabes expressar.
Dessa forma esmerada e exemplar
Que é feita de nuances de paixão

Não vamos perguntar qual a razão
Que este tão grande amor fez despertar,
A chama que nos prende e faz sonhar
Só nos pode vir da alma e coração.

Desabrochou sorrisos de ventura,
Virou em claro dia a noite escura
Nosso sonho é agora realidade.

Hoje tudo em nossa vida tem candor,
Vamos deixar fluir o nosso amor
Em ondas de carinho e lealdade.

16 de maio de 2016

NUDEZ




Nudez

 
Suavemente,
lentamente,
despoja-me,
das vestes
que a minha nudez
tapa

Arrasta-me
para o nosso ninho de amor
e sem pudores,
submete-me
usufrui do meu corpo,
como te aprouver...

Transforma
a minha fúria selvagem
fruto da minha paixão
pelo teu corpo
na mais dura submissão...
e algemado
possui-me,
navegando o meu corpo
trespassando-o
com vigor,
até que
a teus pés
eu seja
o mais submisso
dos amantes...

Hamilton Ramos Afonso

In, Amores em terra de bruma e de lava


10 de maio de 2016

DELIRO EM TI...


Art by Eric Wallis



Deliro em ti…


Gosto de te ver delirar
Quando sentes que te estou a despir
E então, se olhas no meu olhar
Espreitas todo esse meu sentir
É essa a minha vontade
Despir-te sem preconceitos
Do teu corpo sinto saudade
E também dos belos peitos
Gosto do teu andar bamboleante
Gosto de te ver insegura
Ver-te assim por um instante
É de me levar à loucura
Rio-me com esta situação
E vejo-te toda a tremer
Impregno-te da minha paixão
Colho em ti o meu prazer
Vivo-te desta maneira
Gosto muito do teu piscar
De olhos, que brincadeira
Nesse mar a marejar
Humedeces os teus lábios
E eu fico louco por os beijar
Dar-te beijos de tão sábios
Mostrar-te como é amar
A arte vive em mim
É uma constante medonha
E eu gosto de ser assim
Em mim não há peçonha

Armindo Loureiro