31 de julho de 2015

DESEJOS DA MINHA ALMA


Imagem- Ballet é tudo


DESEJOS DA MINHA ALMA


Por que carrego doçura
na alma e asas nos pés
Porque sinto a vida

além do óbvio.
Porque enxergo sol 
em dias de chuva.
Porque amo até mesmo o desamor.
Porque acolho cada gesto
com os braços do coração.
Porque perfumo o
caminho das estrelas.
Porque componho alegria
na poesia da tristeza.
Porque desejo colorir

a vida com olhos de fé.
Porque sei que haverá um 
dia de se tornar a minha realidade
ver o mundo com arte dança poesia 
colocando o sentimentos do artista

Madalena Lessa



O TEU DOCE BEIJO EM ÁGUA DE ROSAS


Imagem - Bellissime Immagini 


O TEU DOCE BEIJO EM ÁGUA DE ROSAS


Inventas as manhãs a água de rosas.
Que pele a tua sedosa e tão macia!
Que boca a tua graciosa e tão orgia!
Que olhos de sobrancelhas tão fermosas!

Inventas o perfume à natureza.
Que vento solta o teu loiro cabelo!
Que sol nasce em roseiral de castelo!
Que estação pensa ser a tua beleza!

Menina- flor tem forma a astro- mulher 
Espelhada em rubro rosto que tanto diz!
O teu silêncio é expressão de dia a nascer.

Mulher- amante tantas frases vividas
Em coração e uma rosa pela mão tão feliz!
O teu doce beijo em águas de rosas.

® RÓ MAR

30 de julho de 2015

NOITE DE AMOR

 
 

Noite de amor

 
Tudo começou no meu colo
onde te sentaste seduzindo-me
com o foco encandeante do teu olhar
e a luminosidade do teu sorriso
convidando-me ao namoro
com as minhas mãos a corresponderem
ao convite das tuas...

Lábios entreabertos, convidando ao beijo salivado
línguas em frenesim sorvendo o aroma
de duas bocas sequiosas do desfrute do mel e da fruta

Afastadas as palavras, serenamente, sem pressas
corpos despojados de roupas, a magia da química
fez o resto em exploração de cada milímetro dos dois corpos
em fusão, peles ardendo na fogueira do desejo,
no perfume da paixão...

Exaustos o sono colheu-nos nos braços um do outro
e foi em laço que acordamos serenos
e com sinais em ambas as peles que por elas tinha
passado o diamante do amor, deixando as marcas
da volúpia e da intensidade do amor entre duas almas
que se pertencem...
 
 
Hamilton Ramos Afonso
 

VAMOS DANÇAR COM PAIXÃO


VAMOS DANÇAR COM PAIXÃO


Venha dançar comigo
Vem provar do meu amor
Seu abraço é meu refúgio
Seus carinhos e minha paixão
Quero dançar com você...
Sentir o calor do teu corpo
O suor grudado na pele...
Dançar a dança um tango e
Descobrir os teus mistérios
Alimentar nossos desejos
Quero sempre sentir o prazer
dessa dança...
deste amor que tanto queima
Sinta-me tocar sua pele
Numa caricia atrevida....
Vem toma-me em teus braços
Entregando ao prazer
Desta dança
De desejos paixão que queima...
vamos dançar com arte colorindo...
nossos passo vamos flutuar...
Esta é a dança tem
paixão
Num calor dois corpos
se encontrando...
Paixão amor juntos.

Madalena Lessa




 

27 de julho de 2015

AO LUAR



AO LUAR 
 
Cálida noite, 
de lua cheia a convidar
a um passeio pela praia, 
areia molhada,
espuma a beijar-nos os pés
ritmados em lenta valsa 
de dois corpos 
que caminham lado a lado
enlaçados,pelos braços
a rodear a cintura e embalados
pela suave musica
da rebentação das ondas, 
embebendo a ávida areia…

Sentámo-nos 
e demos livre pulsão
à ânsia de dois corpos,
em se amarem  
em se entregarem
lentamente embalados
pelo chamado do marulhar das ondas, 
que suavemente nos embalava…

Então o meu corpo feito arco, 
arrancou ao teu gemidos de violino, 
tangendo as tuas cordas tensas,
lentamente no inicio
e em tropel no final...

Por fim as ondas
beijavam-nos os pés ainda juntos 
e a lua,
essa iluminava em foco, 
o palco onde tínhamos exibido
a sinfonia do nosso amor…

Hamilton Ramos Afonso

ENFEITIÇA-TE


Foto: Anekceeb


ENFEITIÇA-TE


Atravesso a brancura inocente
que virgem violo.
Acolhe-me o que é visível.
O sopro mágico
faz o vazio falar.

Ninguém pode salvar-me
do que pode matar-me.

Embala-me o som
do silêncio,
marés de palavras ecoadas
no espaço.

Parte-se o espelho.
Ficam estrelas cadentes
trituradas.
Acabou-se a magia.

Descobre o mistério da reflexão.
Vê abertamente por dentro
o que se oculta
pelo lado de fora.

Afasta as nuvens.
Torna-me transparente.

Mastigo o silêncio.
Engulo a palavra,
sopro de luz.

Sobe até à ponta dos cabelos
com os lábios húmidos
na ponta dos dedos.

À luz nua
recolhe-me e bebe a poção
da eternidade.
Enfeitiça-te.

Ana Pereira

26 de julho de 2015

ENTÃO SEGUES COMIGO EM VIAGEM COLOSSAL


Imagem - o amor entre linhas


ENTÃO SEGUES COMIGO EM VIAGEM COLOSSAL



Abro meus braços para te receber...

Vem comigo pela viagem sem destino
Onde as nuvens são mais-que-perfeito leito
E as estrelas o magnânimo luar...

Sente a leveza ao meu corpo pelo teu ter
E beija-me no teu perfeito instinto felino...
Ah, como é caricia o eclodir ao teu peito
E quanto me apraz tê-lo ao sobrevoar...

Fecho meus braços para te perceber...

Os nossos corpos crescem-se a lua cheia...

Ficas comigo pela viagem ao cristalino
Onde o voo se perpetua aos nossos lábios e semeia
Púrpuras pelo céu às asas do nosso instinto...

O mar reflecte-se...arco-íris ao nosso caminho...

Sente-se tonalidades pelas nossas naturezas...

Abrem-se os braços com muitas certezas...

Nada em nós é impossível...o sonho
De viajar é caractere de prova real...

Então segues comigo em viagem colossal
Que abraça o oceano e voa pelo infinito.

® RÓ MAR

NOITE FRIA


NOITE FRIA



Oh, noite gelada, noite fria
Com muita neve no telhado
Pela janela víamos como caía
Sobre o lindo campo orvalhado

Estou a teu lado, sinto vertigem
Quando teus cabelos estou a afagar
Acaricio teu lindo corpo de virgem
Sinto-me então como se estivesse a voar

Os meus lábios por ti ficam com desejo
Os teus lindos seios eles vão procurar
Cubro o teu precioso corpo de beijos
Com os meus quentes braços, quero-te abraçar

Para nos aquecermos, neste dia tão frio
A receita será juntos podermos estar
É um desejo de quem muito amor sentiu
Um desejo muito quente de te amar

Paulo Gomes

INFINITO OLHAR


Imagem- Daniel F. Gerhartz - Open ArtGroup


INFINITO OLHAR 


Infinito olhar...teu saracotear,
Que me deixa perplexo pela dúvida
Se és flor de outono ou labareda de verão!
Observo o teu rosto de chama 
Pacifica e perco-me pela calma 
Que ele desfolha...

Vejo pelo teu olhar a esmeralda
Que não sei se é preciosa pedra ou astro da vida.
E, perco-me no chá vário de infusões
Que não sei se são flores só de primavera
Ou também alguns restos de folhagem 
Do outono que pairam pelo ar.

Infinito olhar...que não me dá paz,
Porcelana refinada 
Que não sei se é um toque a sedução
Ou se és até a minha amada!
Vejo à mesa panos que se distinguem
Pela cor, serão só as tuas vestes ou também 
O aparato ao chá que nos olha!

Vejo-me ao teu olhar rés à chaleira
E sinto o calor que confunde o aroma
Ao teu perfume, o que não sei se é flor
Ou planta que me quer conquistar!
Pelo teu peito audaz
Vejo a mulher que quero amar,
São tantas as sensações!

Infinito olhar...que me excita...
Talvez seja da seda que o habita,
Ainda assim, quero nele penetrar,
Sentir as raízes do seu nascer...
Ervas raras que não distingo ao te olhar,
Saber o paladar que és e ser,
Talvez, o teu amor.

® RÓ MAR

PENSAMENTOS AO CORRER DA PENA E COM PENA MINHA...


Imagem- o amor entre linhas

Pensamentos ao correr da pena e com pena minha…


Faço-me sem me fazer e até me esqueço de que tu também me queres ter...E eu pergunto porquê? Será que valerei a pena mesmo que a pena não seja molhada...Sonhos sonhados que nem apetece vir a ter pois não sinto que neles tenha qualquer prazer mas o que fazer? Vou sonhando mas nem sempre...E gosto que isso aconteça pois assim sinto-te em mim! Ó sonhos que eu tenho se aí vou, logo me venho pois, mesmo a sonhar, sinto-me e tu? Também é...s como eu, ou és diferente...Gosto de te olhar e te ver contente, num sorriso algo diferente em que, olhas para mim e me dizes nesse olhar que gostas de mim...Será que gostas ou apenas são apostas feitas com terceiros para me verem cair...É certo que com um olhar desses caio sempre...Mas mesmo que seja gozo tu podes crer que não me incomoda e assim, vou na moda do gozo teu e às vezes sabendo o que me deu continuo a laborar nessa história a esperar que te abra a memória e tu me penses não como um sonho mas como uma verdade a ter em conta e, posso-te dizer que não será de pequena monta pois, de cima do meu metro e oitenta se alguém tenta fica contente em me ter de presente...Um presente que se sente a dobrar quando em ti poder amar! Vê-me pois desta maneira e não como uma brincadeira em que, depois de servido se deita fora...Está na hora...Vem a mim pois eu quero-te apenas afim do que possamos os dois fazer...Um prazer

Armindo Loureiro

25 de julho de 2015

QUE ESTRANHA SENSAÇÃO


Imagem- O amor entre linhas


QUE ESTRANHA SENSAÇÃO


Que estranha sensação que sem licença quer entrar
Que atrofia o pensamento e tão acelera o coração
Que se sente de dia e de noite até mais não
Que nos faz ora alegres ora a choramingar

Que estranha sensação que pelo corpo alma quer morar
Que segreda vida em lotes felizes de união
Que se beija de dia e de noite em sofreguidão
Que nos faz ora plenos ora loucos de tão amar

Que estranha sensação que arrepia todo o ser 
Que se sente de dia e de noite em tão prazer
Que nos faz ora gente ora sonhadores 

Que estranha sensação que transmuta cores
Que nos faz ora saudade ora comichão
Que uns chamam de amor outros de paixão.

® RÓ MAR

QUERIA PODER-TE TOCAR



QUERIA PODER-TE TOCAR


Queria poder-te tocar com a minha mão...

Cada centímetro da tua pele de veludo
Ouvir o acelerado bater do teu coração
E ficar completamente alheio a tudo

Queria poder-te tocar com a minha mão
Para loucamente te poder amar
Perdidos em total e louca paixão
Minha boca te procura, com sede de te beijar

Queria poder-te tocar com a minha mão
Perdidos no tempo, sem o relógio olhar
Deixarmos flutuar totalmente na emoção
De quem, como nós, tem muito para amar

Queria poder-te tocar com a minha mão
Com entrega total, sem receio nem pudor
Para vivermos momentos de total satisfação
Terminando os dois sussurrando palavras de amor

Paulo Gomes

RESPIRO-TE...


Respiro-te...


Respiro-te por todos os poros do teu corpo

com a sofreguidão de quem precisa de ter
os pulmões cheios de ar...

Os teus lábios de mel 
oferecidos na ânsia do deleite,
em beijo salivado,
que duas línguas sôfregas misturam 
dando a conhecer a mistura de gostos, 
bailando freneticamente
no salão de duas bocas 
que se oferecem em delíquo...

Os sentidos, todos em ritmo cadenciado,
unidos com uma só missão,
a de amar e desfrutar
dos corpos molhados do suor
que sai pelos poros abertos
nas duas peles que se harmonizam
e o sentir latejante do sangue
que corre nas veias e artérias 
bombeado por dois corações
que se pertencem e batem em uníssono...

Respiro-te, meu amor pelo teu corpo...
...e pelo meu respirar respiramos os dois
e celebramos a vida.

Hamilton Ramos Afonso

ONDE HÁ ALMA HÁ ASSIM EXTRA POESIA


Imagem – O amor entre linhas 


ONDE HÁ ALMA HÁ ASSIM EXTRA POESIA


Onde há coração há assim amor
Onde há vida há assim natureza
Onde há olhar há assim olor a flor
Onde há harmonia há assim beleza

Onde há mar há assim cortesia azul
Onde há céu há assim supra infinito
Onde há pé há assim momento a sul
Onde há fé há assim génio espirito

Onde há melodia há assim som arte
Onde há lua há assim plenário luar
Onde há sonho há assim planeta marte
Onde há silêncio há assim uno poetar

Onde há luz há assim verde esperança
Onde há mão há assim teto de união
Onde há alegria há assim alma criança
Onde há letra há assim voz canção

Onde há paz há assim puro sorriso
Onde há asa há assim a borboleta
Onde há dote há assim improviso
Onde há verso há assim alma poeta

Onde há vento há assim inspiração
Onde há raiz há assim fertilização
Onde há amor há assim beijo paixão
Onde há alma há assim extra poesia

® RÓ MAR

24 de julho de 2015

AMO-TE


Amo-te



Palavra que reaprendi,

preso ao teu sorriso gaiato

entreguei-te o meu coração,
fiz-te sua dona, 
menina-mulher
das terras de bruma...

Da bruma chegaste até mim 
e Iluminaste 
com o sol do teu rosto
a minha solidão, 
rompendo brumas,
quebrando vontades, 
e fazendo de mim, 
novamente,
aquele adolescente
de que tinha saudades...

Da bruma
que me habituei a gostar...
a bruma
que caldeia gentes 
e as torna
Indomáveis 
na sua vontade...

Hamilton Ramos Afonso

23 de julho de 2015

CHUVA DE PRATA


Artista Plástica Madalena Lessa

CHUVA DE PRATA


E não Seu abraço
Encontro Esperança...
reúno meu mundo,
deixando pra Trás uma dor
que me persegue.
Um Dia de ser feliz;
Sem Seu abraço SINTO
Emoção,
a Esperança
de hum dia de sol, 
Uma valsa ao Luar.
Aqui eu SINTO rápido você 
uma chuva VEM sem parar
vem me Mergulho
com alegria e saudades...
chuva de prata...
chegamos tao longe Sem Querer.
Quase me mata 
de tanto LHE Esperar...

Madalena Lessa



ESTÁ NA HORA...




Está na hora…


Estendo-te o meu braço
Para que nele adormeças
Porque o sono é tão escasso
E eu gosto-te não te esqueças
Quero desabotoar-te a roupa
Com estas mãos solidárias
Chamar-te de minha louca
Ao ver-te sem indumentárias
Um corpo quando bem feito
Deve fazer com que seja visto
Eu como homem e com o meu jeito
De to ver eu já não resisto
É uma grande maldição

Que não me deixes isto fazer
Teu charme, grande paixão
É a visão do meu prazer
É assim que estou a lutar
Com estas promessas de amor
Para no eldorado te amar
E ao frio juntar calor
Tu precisas de proteção
De quem a saiba fazer
Acaba lá com esta ilusão
Dá-me pois todo o teu ser!

Armindo Loureiro

BRISA


Imagem - autor desconhecido 


BRISA


Como é suave a brisa
Que acaricia o meu rosto
É de uma doçura calma,
Tu não a sentes!
Parece mãos de fada
De pele aveludada
É a brisa do Amor!
Que anda com o luar
De mão dada a passear!
E eu estendo o meu rosto
Para ela me beijar!
E a brisa com ternura
Meu ser vem afagar
Como se o seu rosto
Ao meu ela encostasse
Sentindo seu suave respirar!
É a brisa do Amor
Que junto de mim passou
E o vento lhe ordenou
Que fosse junto de ti!
Sente-a agora a passar.

Paulo Gomes

« BIRRENTA »


« Birrenta » 


Gosto quando amuas, bates o pé, 
te tornas arisca e fugidia...

Nessas alturas digo-te que repares
que já não usas bibe e soquetes brancos
nem laçarotes no cabelo de menina birrenta

Por isso quando amuares, vem a mim
enrosca-te no meu colo, 
enlaça-me o pescoço com os teus braços
puxa o meu rosto para o teu e 
gasta a tua energia, perdendo-te em mim...

Hamilton Ramos Afonso


22 de julho de 2015

ENTRETANTO, A CIDADE DORME E PINTO-TE



Imagem - Gardenia by Gardenia 


ENTRETANTO, A CIDADE DORME E PINTO-TE


Entretanto, a cidade dorme e penso-te, desenho-te,
Em abajur lustrado a luz, declaro-me, em lapiseira 
Húmida de amor, calco desejo pleno e amo-te;
Sob as abas da escrevaninha traço à tua maneira;

As linhas tomam fórmulas de corpo absorto
E meus lábios embriagam-se viscosos e mordem-se;
Rabiscando pelo esquiço, em que me transporto,
Masturba-se volúpias à tela, e sinto pelos ares
Misto de sândalo, lótus, e o espaço perfuma-se.

Entretanto, a cidade dorme e pinto-te
Em mim, ogivas siderais à mão de amares.

® RÓ MAR

SONHOS DE VOAR...


Stanislav-Sugintas - Sensuality in Art


Sonhos de voar…



Sonhei que tinha asas
Tal e qual uma andorinha
Voando sobre as casas…

Mas que beleza de sonhar
Nessa noite que não era minha
E lá parei para vos amar!

Continuo assim a voar
Numa expectativa aparente
Quero pois vos amar
E me tornar homem contente

Mas que raio de alegria
Me viria a acontecer
É que na noite que não no dia
Tu serias essa alegria
Desta vida com prazer

Quero continuar a sonhar
Que voo nessas belas asas
Uma andorinha é de se amar
Mesmo com asas a parar
Por cima das nossas casas

Param as asas, para tudo
E o sonho assim se acaba
Acabo por ficar mudo
E até um pouco surdo
Quando o sonho me aldraba

São sonhos que são assim
Uns sonhos algo transparentes
E agora tu não me digas a mim
Que quando sonho não estou afim
Desses sonhos que são presentes

Presentes que te quero dar
Numa noite maravilhosa
Vamos lá pois nos amar
E no sonho transpirar
Deixa lá de ser vaidosa

A vaidade não me anima
Nem me torna homem matreiro
Mesmo que não saias de cima
Aquilo que no sonho te arrima
É por ser homem por inteiro

Armindo Loureiro

SÓ EU E VOCÊ


Imagem - Autor desconhecido

 


 SÓ EU E VOCÊ



TALVEZ SEJA o Amor isso...
TALVEZ SEJA o Amor você...
TALVEZ o Amor Seja um paixão
TALVEZ SEJA o Amor eu...
TALVEZ SEJA o Amor nos...
Dois Corações OU SOMENTE UM
Quem poderá Dizer...
TALVEZ hum dia Algum
Pesquisar nºs Livros...
TALVEZ...
Até Lá vou Ficar te esperando
na Minha cabana
Ao atenta horizonte...
Para te ver de longe
e correr Ao Seu Encontro...
Para ouvirmos OS cantos
dos Pássaro...
Para sermos SOMENTE um...
Irmos para para a Montanha
e juntos vislumbrarmos
O Céu...o sol...
O Canto dos Pássaros...
e Todo o resto...
A noite Chegou juntos 
Lua e Estrelas como...
so eu rápido você...vamos amar...

Madalena Lessa




QUAL DESCREVO EM SAUDADE, MEU QUERIDO



Imagem - Gardenia by Gardenia


QUAL DESCREVO EM SAUDADE, MEU QUERIDO


Que saudade daquele beijo, escondido,
Que fazia a cidade antiga ainda mais linda,
Que escrevia em doces lábios ao luar juras de amor,
Qual me surripiavas em teu glamour.

A noite era querida, e eu adormecida
Em teus braços velozes sonhava tudo,
Aquele dia que seria prometida
Qual eterna mulher em teu precioso mundo.

Que saudade da longura daquela cabine na cidade,
Que fazia o diário à minha mocidade,
Qual em tempo de chuva sentia o coração enamorado;

Qual era mágico e para toda a vida verdade,
Que ainda vivemos muitos anos lado a lado,
Qual descrevo em saudade, meu querido.

® RÓ MAR

RENASCER...


Imagem - autor desconhecido


Renascer...


Longe de ti definho
sinto a alma em cinzas,
sem o perfume
que adquire ao pé de ti,
o sorriso com a palidez
do que é forçado,
os olhos baços da saudade
que se sente como gumes de faca
a cortarem-nos os dedos
e o sangue a jorrar,
com a natural dificuldade
de o estancar...

Sei que no dia em que de novo puder entregar-me,
inteiro nos raios de sol dos teus braços 
renascerei, como a fénix renascia das cinzas...

E nesse dia arderei de novo, 
não me transformando em cinzas,
mas de paixão, 
alapado ao teu corpo
como lapa que se agarra à forte rocha
para que as vagas do mar em fúria 
a não levem na enxurrada...

Hamilton Ramos Afonso

RENDIÇÃO DO OLHAR


Imagem - autor desconhecido


RENDIÇÃO DO OLHAR


Derrete-se de amores o coração,
Já com o seu bater descompassado,
Quando o olhar pressente ter gostado,
De um outro olhar que pisca de paixão...

O rosto se avermelha afogueado!
E uma voluptuosa sensação,
Irrompe internamente em ebulição,
Como um sonho de amor imaginado...

Os olhos, entre si, silenciosos,
Falam dos sentimentos amorosos,
Em que mutuamente se prenderam!

Eles se questionam e respondem,
Com os lábios unidos que não escondem,
Que face às evidências se renderam!...

José Manuel Cabrita Neves

A ROSA MAIS LINDA QUE JÁ VI”


Imagem - autor desconhecido


“A ROSA MAIS LINDA QUE JÁ VI”


E dei-te um ramo de rosas
Não só por ti, mas por crer
Que assim junto a teu peito
Não podiam empalidecer!

Amor, não sei quem diria
Que é amarga, a tua doçura:
Teu aprazível sabor delicia
Mais do que a fruta madura;

Foi hora mil vezes bendita
Aquela em que te conheci, 
Comigo já a alegria habita;

Quero-te assim, qual to és:
A rosa mais linda que já vi
Desde a cabeça a teus pés!

Alfredo Costa Pereira

ANTIQUADO




ANTIQUADO 


Eu sou um apaixonado à moda antiga 
Que ao meu Amor envia uma flor
Aquele que com paixão respira
A saudade com muito Amor

Sou o tal romantico apaixonado 
Que ainda acredita em contos de fada
Que na paixão é antiquado
Sonha viver, agarrado a sua Amada

Sou do tipo de fazer poemas de Amor
Que hoje é difícil de encontrar
Que a paixão vive com muito ardor
Por aquela que desejava estar

Apesar do mundo ter evoluído 
Para conceitos de vida e vaidade
Sou do tipo que por ti tem sentido
Muito Amor e muita muita Saudade

Eu sou um apaixonado à moda antiga 
Que ainda chamo a minha Amada
Minha muito e muito Querida
Como já quase ninguém diz nada

Paulo Gomes

21 de julho de 2015

MENINA DO MAR


Imagem - Belissime Immagini 


MENINA DO MAR


Lá, de longe admiro a tua tão beleza,
Pareces-me ser rara flor, menina do mar.
Os meus olhos flertam veste de pureza
Que teu alvo corpo despe em azul luar.

Tenho-te muito perto e tu distante!
Quem te fez assim, um céu flamejante
Que desafia a natureza, menina do mar!?
Pareces-me ser rara alma vagante.

Percebo-te, ao que escuto nesse coração
Que habita entre a areia e as águas do mar,
Até entendo o teu ar de exclamação.

O mundo não foi feito à tua medida!
Quem te quer assim, alma sonhadora, além- mar,
Que prende olhares às ondas pela vida!?

® RÓ MAR

DOR D’ALMA




DOR D’ALMA



Esta dor d’alma, vaga e incerta
Que no coração incauto s’alojou
Só na beleza da tua essência s’acalma
Esta vaga e incerta dor d’alma

Ah! Se pudesse tocar-te uma única vez mais
Nem que fosse…apenas com o meu olhar deslumbrado
Seria como um bálsamo que nas mãos calma
Esta vaga e incerta dor d’alma

Esta dor que só na alma germina
Arco retesado, flecha disparada com precisão
Será sonho desperto, ventura divina?
Esta vaga e incerta dor d’alma

Esta vaga e incerta dor d’alma
Que de tanto consumir alimenta o viver
Antes perecer do que perder esta dor
Esta dor d’alma, vaga e incerta.

Antero Jerónimo


20 de julho de 2015

TRISTE ROSINHA DO SILVADO


Arte de Bruno Steinbach


“TRISTE ROSINHA DO SILVADO”


Viu um rapaz uma rosa
Uma rosinha do silvado.
Era tão fresca e formosa
Que de vê-la assim airosa,

Aquela bela e linda rosa,
Dela ele ficou enamorado.
Diz ele: vou apanhar-te;
Linda rosinha do silvado!

E vai ela: hei-de picar-te
Ficas de mim a lembrar-te
Que desprezo teu cuidado…

Mas logo o cruel a colheu;
Ela muito bem se defendeu
Mas era aquele o seu fado…

Triste rosinha do silvado! 

Alfredo Costa Pereira
 

SEI DE UMA ALMA


Imagem - autor desconhecido


Sei de uma alma


Sei de uma alma,
gémea da minha, 
que se desnudou 
completamente 
dando a conhecer à minha 
os elos do laço
que a une à minha,
em tarde de pura magia 
junto a um rio, 
também ele mágico, 
num abraço de dois corpos perfumados 
e aquecidos pela fogueira da paixão...

Sei de uma alma
de uma beleza ímpar, 
que se desnudou completamente
à minha, 
ao ritmo acelerado do bater
de dois corações onde vivem 
dois seres que se amam, 
em livre e consentido afecto, 
nascido da ternura de dois olhares 
e da luz intensa de dois sorrisos...

Sei de uma alma
que há muito eu sonhara 
e em boa hora aportara 
à serena enseada da minha alma

Sei de uma alma...


Hamilton Ramos Afonso

TRANSPARÊNCIAS...


Imagem - Sensuality in Art


Transparências…


Vejo essas transparências
Iludo-me com facilidade
Dão-me certas apetências
Dessas luzências de verdade
São luzes que se acendem
Quando o Sol se apaga
E as belezas se estendem
Quando alguém as afaga
São pregas de seda leve
Que escorrem a bom escorrer
Se nas pregas alguém se atreve
Ao de leve sentir prazer
Gosto da pele a reluzir
Por baixo das transparências
Altera logo todo o meu sentir
Mas que beleza as minudências
Concordo com esse mostrar
Já que o que é bom é para se ver
Mostra pois o que eu quero amar
O melhor desse teu ser
Veste-te sempre dessa maneira
Dá azo a meus olhos brilhar
Pensando numa grande asneira
Quando estás à mão de semear
É bom que assim seja
E tu até sabes que é assim
Sob teu vestido alguém beija
Quando do resto ele está afim

Armindo Loureiro


NÃO FIQUES ASSIM


Foto: João Bordalo Malta 


NÃO FIQUES ASSIM


Respondo à convocatória
sem voz nem oratória.
O que é certo
é que tudo deve ser
do agrado
de quem usa o servicinho.
Não deve esquecer, contudo,
o valor acrescentado.

Estou cansada.
Sento-me no tronco viril.
Espero que tudo cresça de raiz.
Fico à sombra.
Não sei o que te fiz.

Na noite mais negra que breu
trazes o dia nas mãos
ilumina o caminho
que trilhas no corpo
que é meu.

Estende-te sobre
o espelho dos sentidos.
Torna-te límpido e leve.
Terás o orgasmo que nunca
ninguém teve.

Enrolamo-nos no reverso da alma
com a inspiração da carne,
poesia sem metáforas.
Escorem os desejos transpirados
nos lençóis
em desalinho.

Seremos uma luz molhada
que vacila
sob a rosa molhada
que tocas.

Conhecerás o prazer de voltar
a uma cama acesa
de fogo não apagado,
claro está.
Apesar do valor acrescido,
tudo é negociado.
Não fiques assim!

Ana Pereira

19 de julho de 2015

ENQUANTO SABE A SAL O (A)MAR


Imagem - Imagens do Mar



ENQUANTO SABE A SAL O (A)MAR


Mergulhar pelo teu olhar
É (a)mar ao fundo do mar...

Sabes-me a sereia...Te navego pela alma
Ao sal que se beija ao corpo, na calma
Azul repassa o vento do nosso olhar.

Mergulhamos pela onda que abre o universo...
Delírios prazíveis por inventar
Saciam os nossos corpos suados no imerso
E marulhado cálice que solta os gritos do (a)mar.

Vozes silentes...almas quão gritantes,
Deslizam vulcanizadas pelas nossas ‘barbatanas’
Ao ritmo alvoraçado de viscosas algas,
Copulam-se nas ‘guelras’ excitantes.

As baladas que ecoam pelo fundo do mar_
_O nosso desvairado amor carnal
Que esguicha labaredas de azul colossal
Enquanto sabe a sal o (a)mar.

® RÓ MAR

18 de julho de 2015

PALAVRAS DITAS...


Imagem- Gardenia by Gardenia


Palavras ditas…


Em tua cristalizada boca
Depositei um beijo meu
E tu despertaste, ficaste louca
E eu não sei o que te deu

Na pendência das palavras
Dessa boca de mulher
Quando para mim tu falavas
Eu despertava como se quer

Sussurravas-me ao ouvido
Palavras com muita beleza
Despertavas o teu sentido
Na nudez da tua natureza

De vez em quando sentia
O escorrer da água salgada
Tua natureza assim vertia
Era a alegria por ser amada

Dava-te beijos e abraços
Impregnava-te com calor
Coartava-te os espaços
Dava-te todo o meu amor

Há palavras ditas de tão malditas
Ditas assim de qualquer maneira
Mas há corpos em que, se acreditas
As malditas, são as da brincadeira

Armindo Loureiro 

FRÁGIL MENINA OU SELVAGEM MULHER


Imagem - autor desconhecido


FRÁGIL MENINA OU SELVAGEM MULHER


Acorda cedinho
Floresce o dia
Na haste do desejo
É fetiche da paixão
Na arte de amar puro frenesi
As duas numa só
Se funde sai de menina
Vira mulher
Despida descalça
Joga-se nas águas geladas
Busca no mar o prazer que sufoca
Amor que esmaga
Paixão que incendeia
No mar vira sereia
Se liberta escancara
Vai além da ousadia
Quando ama é assim
Humilde amante impulsiva
Ser inteira ser eterna
Ter a harmonia das manhas
A serenata das madrugadas
O romper explosivo
De cada anoitecer
De frágil menina
Uma selvagem mulher...

Madalena Lessa

SÓ O AMOR LEVA À FELICIDADE


Imagem - autor desconhecido


SÓ O AMOR LEVA À FELICIDADE



Amar é dar de nós com alegria,
É ver nascer mil flores no deserto,
Ser mestre no criar da fantasia,
Moldar o coração num céu aberto.

Amar é ter o termo da harmonia,
Sentir o Sol brilhar no encoberto,
Fazer nascer no peito um novo dia,
Sofrer por alguém que não ‘stá perto.

É experimentar um bem universal,
Recriar uma força divinal
Que muda toda a nossa realidade.

Amar é descobrir tudo o que é belo,
Desfiar com amor esse novelo
Que só pode levar à f’licidade.

Abílio Ferradeira de Brito