21 de dezembro de 2015

DESEJO


Arte : female portrait serge marshennikov


DESEJO


Pulsa em mim
o desejo de ti,
num frémito urgente
de consumar no corpo 
o que entre nossas almas
existe...

Vontade de tomar 
teus lábios 
na volúpia do beijo
molhado e sensual, 
que desperte
a carne, que pulsa 
em espasmos de ansiedade

É o abrir do dique 
do desejo 
de espalhar a semente
feita seiva 
na terra fértil 
do teu dique, 
em extase de sons,
cores,
cheiros 
e por fim a serenidade...

Hamilton Ramos Afonso


NOSSOS OLHOS AMOR




" NOSSOS OLHOS AMOR "


Nossos olhos amor, fazem amor,
Tomados de emoções ao se encontrarem,
Alegres, sorridentes por se amarem,
Abraçam o desejo com fulgor.

Amanhecem felizes como a flor,
Cantam apaixonados ao se olharem,
E na doce fragrância de se darem,
Sentem que o nosso mundo é bem melhor.

Deixa de ser Inverno, é Primavera,
O sonho pintalgado de quimera,
Agora é arco-íris colorido.

A noite virou dia por encanto,
O céu tem mais luz e brilha tanto,
Que toda a nossa vida faz sentido.

Abílio Ferradeira de Brito


NA FOGOSIDADE DE UM MOMENTO...


Imagem - Gardenia by Gardenia 


Na fogosidade de um momento…


Meu coração se incendeia
Quando eu te consigo olhar
Nesse olhar algo medeia
E nesse olhar te quero amar

Desafias-me dessa maneira
É um total desaforo
Pedes-me para fazer uma asneira
Num olhar em que se reflete o choro

Choras repleta de alegria
Por me veres ali a teu lado
Pedes-me para usar de magia
E te contar qual foi meu fado

O meu fado não te posso contar
Sem primeiro conhecer o teu
É que isto de eu te amar
Foi num repente que aconteceu

Foi numa troca de olhares
Em que o teu algo refletiu
Se ousas assim me desafiares
Foi na tua alma que se sentiu

Logo após o teu olhar
Houve troca de opiniões
Minha mão a tua a agarrar
Nessa troca de paixões

Nossos corpos arrebatados
Com essa beleza tamanha
Por nossos olhos desafiados
A fazer amor sem qualquer manha

E sob esse céu tão estrelado
Revigoramos nosso esplendor
Foi um beijo e outro dado
Impregnados de nosso amor

Estávamos os dois sequiosos
Do que tínhamos para fazer
Em momentos tão airosos
Veio ao de cima todo o prazer

Um prazer de tão sucinto
Que o amor nos deu aos dois
Tu e eu, e eu não minto
Perguntámos: por quem sois

E ambos ali deitados
Mesmo ao lado um do outro
A passar tão bons bocados
Que me deixaram bastante louco

Ainda te cheguei a perguntar
Se também te sentias assim
E tu disseste-me; quero-te amar
E ser a flor do teu jardim

Armindo Loureiro


18 de dezembro de 2015

A ESTRELA DA SUA VIDA




Quero ser amor da sua vida


A estrela da
sua vida
Eu quero 
ser a estrela
iluminar
tuas noites
invadir tua janela
antes de deitar...
Eu quero
ser a estrela
ser a lua de todos os dias
que você pára...
pra admirar... Me ver
dentro dos teus olhos
A estrela da sua vida
Seu eterno amor da tua vida...

Madalena Lessa




15 de dezembro de 2015

AO PÔR DO SOL DA TUA PELE




AO PÔR DO SOL DA TUA PELE


Pele que tocas pela noite
Em lábios de cetim
Que inalam perfumes de jasmim
São o sorriso de ontem.

São o orvalho da manhã
Que cresce na flor da natureza
E se deixa lá ficar até ser noite
Com toda a sua beleza.

Pele que tocas de novo
E em toda a alma se vê a labareda
De um novo dia que ama a vida
E é outra vez manhã.

Manhã que é sentida ao além
Em pura leveza e mel
Que no teu toque provo
Ao pôr do sol da tua pele.

© RÓ MAR

11 de dezembro de 2015

POSSO DIZER




Posso dizer...


Agora posso dizer que existo fora de mim,
confirmei-o no intenso brilho dos teus olhos,
onde li o desejo de dois fazermos um, 
transformando um par num número primo...
...o número primo fundamental
que confirma a existência do princípio sagrado do amor: 
a união de almas num longo laço de afecto...

Agora sei que de novo me posso dividir
e fazendo-o multiplico-me em gestos 
que levam neles almofadas prenhes de ternura e carinho...
...em busca da tua alma para que ela as apresentem
e deite-se com a minha celebrando as bodas da fusão 
numa só...
...enlaçadas num amplexo perfumado...

Hamilton Ramos Afonso

9 de dezembro de 2015

HOMEM COM SAUDADES TINHA QUE SER PÁSSARO




HOMEM COM SAUDADES TINHA QUE SER PÁSSARO


Uns dias,
tenho, no lugar dos braços, duas asas.
E só há caminho no céu que me leva a ti.
Nesses dias, homem com asas de pássaro,
voo por essa estrada de céu de sentido único
e, ainda no ar, desejo os braços de volta
para te abraçar com eles.

Outros dias,
sou todo pássaro 
mas faltam-me os braços.
Nesses dias, pássaro sem braços de homem, 
voo por essa estrada de céu de sentido único
e, ainda no ar, não vejo como, tendo asas,
eu possa abraçar-te com elas.

Uns e outros dias 
– dias de saudades tuas –
pedem que eu seja pássaro à partida
e que eu seja homem, chegado a ti,
que te abrace, que me abraces,
que me sorrias anos de primavera só,
e eu deixe de ser homem que migra.

Sérgio Lizardo


A CAMA


Foto: Bezheviy


A CAMA


Quando desejamos,
estamos mortos por algo.
Ficamos no lugar
do morto.

Vamos para a cama
e levamos o silêncio
magoado nos lábios.
Permite-nos estar direitos,
horizontais
com a ilusão dentro de nós.

De mansinho,
damos a mão,
o pulso,
a língua.
As partes não chegam.
Damos o corpo
às palavras engasgadas
na garganta.

Brincamos na cama
para atingirmos o ponto
insaciável com elas,
sem proteção.
Respiramos o vazio
entre o teto
e o chão.

Quando nasce o dia,
permanecemos acamados,
comprometidos com a saliva
que ficou na almofada,
enquanto dormíamos.

ANA PEREIRA


4 de dezembro de 2015

NO OUTONO DO TEU CORPO




No Outono do teu Corpo
 

No outono do teu corpo caminham os meus dedos, 
prendendo-te levemente a cabeça,
despenteando-te o cabelo,
afastando a roupa que escondia a pele de mim,
como se uma leve brisa soprasse as folhas caídas...
...afastando-as para descobrir o caminho 
onde se passeará uma língua que zarpa em busca 
de um porto onde escore o cordame que a prenda
em território de escuridão...
...e te arranque os gemidos e ruídos próprios da noite...
com o foco da lua, ténue e trémulo a acompanhar 
o lento caminhar dos dedos que cumprem a missão
de aplanar o caminho para a troca de afecto que fará de ti
o meu porto de abrigo...

Hamilton Ramos Afonso

2 de dezembro de 2015

ÂMBAR & MEL


Imagem- Artist R.D.Roy was born in Kolkata, India.- Open ArtGroup


ÂMBAR & MEL


Tocas-me com o teu doce olhar
E meus lábios são mel, a saborear,
Que dilatam na natureza o nosso amar.

São rios de suave fragrância
Que se deleitam nas línguas de esmerada essência,
Lá bem rente ao céu vê-se o arco-íris em abundância.

Águas doces e temperadas ao deliquar
D´um sorriso que cresceu em nós, semente de germinar
Que voa pela natureza nas asas âmbar.

E, toco-te com o meu olhar e teus lábios são mel,
Nossos corpos mistério âmbar que navega no batel
Pelos rios que saciam os corações a granel.

© RÓ MAR

CHUVA DE AMOR



CHUVA DE AMOR


Chove muito forte com bastante intensidade 
Já é tarde, são altas horas da madrugada
Não consigo dormir, estou com muita saudade 
Da minha única paixão, a minha linda amada 

Com esta chuva a noite se vestiu com um manto 
Muito estranho mas de uma fantástica beleza
É como se as nuvens estivessem num pranto 
Chorando de saudade comigo tenho a certeza 

A chuva com reflexo do luar parece prata brilhante 
Que é minha doce fofura, o teu metal preferido
Mas apesar de tu estares tão longe tão distante
O som da chuva parece tua voz dizendo Meu querido 

A chuva continua forte e não quer parar
Eu fecho meus olhos para sentir o teu cafuné
As horas estão lentas, muito difíceis de passar
Não consigo dormir, vou ficar o resto da noite de pé 

Enquanto oiço o barulho da chuva a cair 
Vou tentar escrever-te um poema de Amor 
Estou certo que as quadras certas irão sair 
Porque tenho imaginação, sou um sonhador 

Estiquei a mão tentando apanhar esta chuva de prata 
Para te oferecer neste nosso lindo dia tão especial
Queria com o som da chuva compor-te uma serenata 
Única só para ti, minha querida, uma obra-prima musical 

O tempo amainou e a brilhante chuva já não caía 
Escrevi o que sentia no coração como um pateta 
Querendo desejar-te, minha Fada, um lindo dia 
É o desejo deste muito apaixonado e feliz poeta 

Paulo Gomes 
( Quadras de Amor 1 )

« LAPAS FELIZES »





« Lapas felizes »


És o meu enlevo 
meu amor
sabes disso...
e gosto tanto de me sentir 
alapado a ti.
..coração com coração,
sorriso a sorriso,
olhar a olhar...
sei lá que mais...
talvez num abraço que...
de dois faça um só...

Hamilton Ramos Afonso
In, Amores em terra de bruma e de lava...

FEBRE LOUCA DA PAIXÃO


Imagem- Bellissime Immagini


FEBRE LOUCA DA PAIXÃO


Febre louca da paixão
Que não lhe dá sossego!

Vive em perfeito desalinho
Pelos ventos indomáveis aquém.

Pelo vidrado do seu olhar
Sobejam os coriscos de amar
Que ardem em lábios de desassossego.

É ser em que o caminho 
Da vida é demais para o coração, 
Alvoraçado, que nem dono tem!

© RÓ MAR

NATURALMENTE TU


Foto via Paulo Laureano & Su Etbs Muitas Artes



NATURALMENTE TU


Sem que te apercebas deixas teu ar ficar por onde passas.
Teu corpo emerge naturalmente, quando discretamente tentas velar
os encantos que trazes escondidos.
Toda aquela sensualidade que por tua vontade
tentas esconder, mais ela se mostra aos olhos de quem te vê.
Tuas roupas não conseguem ocultar o que grita aos olhos de quem te vê.
Encantas sem esforço, seduzes sem ousar, atrais fatalmente.
És tu, naturalmente.

Fernando Figueirinhas

EXAUSTÃO...


Arte: Luxúria de Tomasz Rut.


EXAUSTÃO...


Exaustão...
a que resulta da batalha 
de dois corpos
cujas almas se pertencem,
é um clímax de prazer
que se sossega
permanecendo
no laço de quatro braços
deixando aos cuidados
das mãos
a função de 
acariciar 
e acalmar 
das consequências
da refrega intensa 
e partilhada...

Hamilton Ramos Afonso
In, Amor como o primeiro, Chiado Editora
 

SINTO-TE EM MIM...


Art by Vidan - Sensuality Art


Sinto-te em mim…


Quando sinto o teu roçar
Na minha pele tremente
Eu sei bem do que gostar
Porque fico bem contente
Esperava um pouco mais
Num desejo tão ardente
Eu sei bem que és demais
E contigo estou contente
Dá-me um pouco de amor
Daquele que tu sabes bem
Impregnado do teu calor
Faz com que eu seja alguém
Alguém de quem se gosta
Tal e qual como gosto de ti
Se teu corpo ao meu se encosta
Me lembro logo do que já vivi
São toques com tal ternura
Que eu sinto nesse encosto
Abre-te pois com desenvoltura
Porque em ti eu sempre aposto
Uma aposta duradoira
Uma aposta de verdade
Meu peito assim estoira
Quando sonha com a saudade
Saudade que vive em mim
De te ter dessa maneira
Tu flor do meu jardim
Faz em mim uma bela asneira
Quero-te ver a vibrar
Quero-te ver a sorrir
E depois de te amar
Te saber no meu sentir

Armindo Loureiro

NOS TEUS OLHOS… O AZUL DOS CÉUS… PERFEITO




NOS TEUS OLHOS... O AZUL DOS CÉUS... 

PERFEITO


Quando olhei nos teus olhos...
Cruzei o azul dos céus...

Vi estrelas... tuas pupilas, um cometa...
Excêntrica orbita...
Planetas que jamais pensaria que seriam meus.

O Mar...
Estava ali, bem perto, e, o sal das ondas a escaldar
Os nossos corpos;

Loucos de desejo...
Nos unimos num só beijo.

Olhos cor de mar,
Gosto a sereia e o vento p´ra voar;
Tínhamos tudo p´ra amar...

Eras doce sericaia e eu o amante perfeito...
E, o sol a nosso favor,
Astro radiante pelas asas d´um vento.

Por um instante o mundo parou.
Estávamos tão perto que os corpos
Se confundiam com águas do oceano,
Uma imensidão 
Que nos atravessou;

Um mar ameno 
Que banhava a alma, d´um jeito que o coração
Só tinha olhos para nós, meu amor...
Perfeito.

© RÓ MAR