9 de agosto de 2018

DE UM OLHAR


Foto: Imagens do mar


DE UM OLHAR


Olhei o mar, beijei o luar.
Assim, vestiu-se-me o peito de ar,
senti p´lo lábio desejo de amar.

Surgiu o abraço p´las colinas.
Assim, banhou-se-me o coração,
senti o céu rente às meninas.

De um olhar p´ra lá do beijo.
Assim, p´la corrente de um mar,
P´ra junto de língua singular.

Quão salgado o meu desejo!
Assim, escrevo parte do dia,
alguns chamam-o de poesia.

Olhei o mar, absorvo a sensação.
Assim, sinto que há verbo amar,
há outro beijo de um olhar!

© Ró Mar

8 de agosto de 2018

PARA LÁ DO MAR...


Imagens do Mar


Para lá do mar...


Pés descalços sobre a areia
E a mesma a se sentir
É a praia que tens na ideia
Com as ondas a surgir

Despes-te de preconceitos
Vais na onda do teu (a)mar
Vogas com todos os jeitos
És uma Sereia a se gostar

Ouço o mar a murmurar
Sussurros bem audíveis
Naquele belo marulhar
Sobre corpos tão sensíveis

É o mar e a maresia
Onde eu colho teu olhar
O qual me dá sua alegria
Num momento de se amar

De repente vais na vaga
Nessa vaga amorosa
E eu espero que o mar te traga
Para mim mulher formosa

E vens na tona da água
Com teus cabelos a ondear
E crias em mim grande mágoa
Por ali não te poder amar

Vejo-te a ser levada
Para lá do infinito
Choro por ti ó amada
E acabo por dar um grito

Um grito de desespero
Por não te ver a vir a mim
É aqui que eu te espero
É de ti que estou afim

Armindo Loureiro 

SEDUTORA


Imagem: Amar e ser amado sempre


SEDUTORA

 
Teus lábios me provocam, sedutora,
Acendem meus desejos, sem pudor,
Tens um porte de musa e de senhora,
Despertas o meu ego sonhador.
 
Tua imagem me preenche a toda a hora,
És deusa sedutora, meu amor,
Agora esta paixão, que me devora,
É fogo que arde em mim, devastador.
 
Sentir o carmesim dos lábios teus,
Acariciar os seios que são meus,
É transformar o sonho em realidade.
 
Adormecer sorrindo em tua boca,
É dar outro sentido à chama louca,
Abrindo larga porta à f’licidade.
 
Abílio Ferradeira de Brito

2 de agosto de 2018

SOU TUA, MEU AMOR, SOU EU!


Pintura de Joseph Mallord William Turner


“SOU TUA, MEU AMOR, SOU EU!”


Na mente da fantasia, criei uns sonhos de magia
Á meiga luz do luar, quando a brisa conta segredos
Aos arvoredos, indo após beijar o mar nos rochedos!
Criei-os com harmonia naqueles instantes de valia,

De silêncio e meditação quando as estrelas seduzem,
E quando os lábios traduzem as vozes do coração.
Vejo sob o luar sereno uns olhos de morena reluzem! 
Olhei extasiado com um sentir abrasado de sedução...

Os olhos morenos falaram uma sublime linguagem
Comprovada pelos segredos que a brisa me deu,
Tal como aos arvoredos e a toda a sua folhagem!

E penso que nunca ouvirei outra vez na minha vida
A voz mais terna e sentida, a voz da minha querida
Dizer-me com fervor: “sou tua, meu amor, sou eu!”

Alfredo Costa Pereira  

[AMO TE]


Imagem - Temps i amor per tu 


[AMO TE]


Tenho cinco letras para ti
em mão cheia de saudade
citando a beleza de um rubi
que vi em tempos de mocidade.

Quando penso em ti
penso como a natureza, 
penso em ti como a natural beleza
que tem a sensação que senti.

O pôr do sol germinou ali,
poema de uma só palavra [amo te]
porque te sinto desde que te vi
até aqui [o meu coração guarda-te].

© Ró Mar

31 de julho de 2018

QUE BELEZA DE PERNAS...


 Imagem: Amar e Ser Amado


Que beleza de pernas...


A praia não está deserta
É o que vos posso dizer
Boa perna me desperta
São boas pela certa
E me dão o seu prazer

Quem me dera a teu lado
Nessa praia de branca areia
Para te cantar o meu fado
Para outros um grande brado
O fado que tenho na ideia

És bela e eu gosto de ti
Tanto, que nem sei dizer
Nessa praia o que senti
É que na ideia jamais menti
Tens um corpo de se ver

Um corpo tão bem feito
Que me dá o seu prazer
De o olhar fico sem jeito
Tal é esse teu preceito
Mas continuo a o querer

E tu que assim me desafias
Tapa lá as tuas pernas
E de mim jamais te rias
Na beleza dos belos dias
Ou pelo menos destas cenas

Ai meu Deus o que eu digo
Valha-me que ninguém ouviu
Olham só para o seu umbigo
Eu que sempre fui teu amigo
Minh’alma foi isso que sentiu!

AQUELE TEU MEIGO OLHAR


Imagem do Google


AQUELE TEU MEIGO OLHAR


Já ronrona o motor, do pequeno avião; 
Com telas ao sol lá começa a descolar,
E com ele nós ascendemos, a imaginar
Ficar só os dois naquela azul amplidão!

A manhã é divina de um azul virginal;
Como se eleva ao céu fugindo da terra
Em ascensão serena como a águia-real
Sugada por térmica em cima de serra!

E num devaneio pusemo-nos a sonhar
Nas alturas onde a terra parece queijo;
Tudo se enflorou naquele meigo olhar!

No meio do céu com o avião a planar
Em piloto automático demos um beijo.
Durou até à hora de termos de aterrar!

Alfredo Costa Pereira

28 de julho de 2018

A MAGIA DA 'GEOGRAFIA'


Imagem : Beautiful world,nature,flowers,love and Art.


A MAGIA DA 'GEOGRAFIA'


Ele olhou para ela e ela ousou viajar
P´la 'geografia' daquele olhar
Contemplativo à sua 'geografia'

Ele compôs a canção «Sol-Mar» 
Para a conquistar e ela quis desenhar
A rosa dos ventos p´la argilosa areia.

Ele ficou contente naquela 'geografia'
E levou-a a mergulhar p´la 'geografia'
De seu mais-que-robusto universo.

Ela ficou abismada com a aventura
E ele premiou castelos em fina areia
Edificada em conchas do mar d´altura.

Ele e ela espraiaram p´la 'latitude'
Percecionando o cume em 'altitude'
Descobriram que há outra 'longitude'.

Ele e ela - o fenómeno da poesia
Momentânea que desmoronou o verso 
Aquando finou a magia da 'geografia'.

© Ró Mar

26 de julho de 2018

Não se Esgotam as Palavras de Amor


Imagem: Google


Não se Esgotam as Palavras de Amor


Quando me dizes, bom dia meu amor
muitas vezes penso e não te digo
hoje meu amor não me chamaste flor
e és sempre tão constante e conciso.

Sinto-me por ti amada e sou feliz
não esgotamos as palavras de amor
com magia mostras o teu cariz
num sorriso brilhante e sedutor.

As palavras não se vão, se há amor
quando nos entregamos com ardor
recriam-se nos dias na alegria.

Haja sol ou chova do escuro céu
mimas-me com abraços e és meu
Divertimo-nos cantando à chuva...

Maria Lúcia Saraiva

HUMANA PERDIÇÃO


obra de Charles Lenoir


HUMANA PERDIÇÃO


No teu corpo, belo, sem lei
Encontrei a minha perdição
Quando eu por amor entrei
Discreto nesse teu coração

E, depois de eu nele entrar
Perdi-me e como não sei!?
O, culpado é o verbo amar
Que no singular eu soletrei

Esta estranha combinação
Do mais ténue sentimento
Eleva para outra dimensão
O meu erudito pensamento

Magia de sublime erudição
Que no teu ser lá encontrei
Quando pequei por paixão
E no éden velho eu te beijei

Espero o divino julgamento
Que me conceda absolvição
Que não seja longo o tempo
Se obtiver uma condenação

Mas só o teu corpo sagrado
Libertou-me, aqui da agonia
De sentir-me como culpado
Antes de sonhar esta poesia

Eu, não vejo qualquer razão
Ser condenado p'la divina lei
Só, porque por tua sedução
O, teu corpo de mulher amei.

Joaquim Jorge de Oliveira

14 de julho de 2018

DEIXA-ME PÔR A MÃO...


 Bellissime Immagini 


Deixa-me pôr a mão...


Com uma mão no teu peito
Despertas o meu olhar
E até fico sem jeito
Ao ver tão belo preceito
Que é o que quero amar

Um peito tão perfeito
A olhar para o céu
Nota-se não tem defeito
Meu olhar eu o ajeito
Eu gosto de o ver ao léu

Dá-me teu peito a beijar
Deixa-me pôr a minha mão
Um dia quero com ele brincar
E também o degustar
Acabar com a minha ilusão

Vejo-o desta maneira
Quero-o só para mim
Faz comigo uma asneira
Uma bela brincadeira
Que eu gosto de ti assim

Ai amor o que eu digo
Quando vejo as tuas curvas
Queria ser esse teu amigo
E tu me chamasses querido
E eu ficasse com vistas turvas

Armindo Loureiro

AINDA GOSTO QUE ME HABITES


Imagem : Google


AINDA GOSTO QUE ME HABITES


Numa eclosão de sentimentos
Engulo a saudade
E em surdina chamo por ti
Como se o teu amor tivesse
Outro nome no teu nome
Envolvo-me num doce sonhar
Junto a este mar 
Poetizando em devaneio 
Dissimulo meu pranto
Nas palavras não ditas
Que dançam ao som do vento
Gaivotas pairam sobre o mar
Tão azul... Tão sereno
Entrego-me à saudade com tal intensidade
Numa eloquência delirante 
Que me enfeitiça a alma
E… Ainda gosto que me habites!
Se um dia me quiseres encontrar
Procura-me junto ao mar…
Aquele que era “nosso” refúgio
E nem dávamos conta
Do tempo, das horas passar
E em gotas de suspiros
Num beijo calado, roubado 
Abraça-me...
Veste-me com véu fulgente de sonhos
E ama-me... Ali...
No silêncio do meu grito
Ainda gosto que me habites!

Lurdes Rebelo

23 de junho de 2018

DEITAMO-NOS NA VERDURA DA ENSEADA


Imagem: Google


DEITAMO-NOS NA VERDURA DA ENSEADA


Com a frescura de uma rosa orvalhada
E com arrepios de uma mulher beijada,
Com os olhos sedutores minha amada,
Deitamo-nos nas verduras da enseada!

Que maravilhas vejo, olhando para ti!
Começa a cair a noite, a lua vai subir;
Altura de me dares o beijo que te pedi,
O qual sem eu contar acabou por sair!

Quanta ternura tens na alma carinhosa,
Nos olhos e rosto de mulher formosa!
Por toda a parte o largo luar se anima,

E na sombra da noite apagada do luar
Vejo relampejar de teus olhos a brilhar
Os desejos de me cativar a tua estima!

Alfredo Costa Pereira

10 de junho de 2018

AMAR É...


Imagem : Belissime Immagini


Amar é…


Amei ficar junto de ti
Jamais canso de te amar
Bate teu coração eu o senti
Quando a meu lado queres estar

A teu lado durmo descansado
Porque me sinto protegido
Por esse amor que me foi dado
E me diz palavras lindas ao ouvido

Meu sono fica tão leve
E eu acordo num repente
Quando tua alma se atreve
A me dizer estou presente

Pouco ou nada quero dormir
Quando tu te deitas comigo
És a beleza do meu sentir
Ouve bem o que eu te digo

Armindo Loureiro

7 de junho de 2018

NOITES DE PAIXÃO


Imagem: Google


NOITES DE PAIXÃO


As noites de paixão, noites pra amar,
são noites quentes, chego embriagado 
de amor, beijo-te o rosto, extasiado,
meu corpo é chama p’ra te idolatrar.

Conheço o meu desejo e vou-te amar,
sem saber se é nobreza, ou se é pecado.
Vou fixar-me, em teu corpo, ser arado 
fecundante e o teu húmus germinar. 

Nos montes a poalha vai passando
como a noite, a teu seio vem chegando
mais vaidosa que terna, p’ra nos ver.

É vaidade, a nudez que revelamos,
dementes, entre abraços nos beijamos
no raiar do mais belo anoitecer.

Manuel Manços Assunção Pedro

6 de junho de 2018

SABOR A SAL


Imagem: Google


SABOR A SAL


Sempre que tu mergulhas nas águas salgadas
Envolves a pele de sal e maresia
São estas as essências há muito desejadas
Alento para a mente grafar poesia.

Teus lábios húmidos carnudos e sensuais
Extraem da minha boca um gosto melado
Ávido me calas com gestos habituais 
Saboreias-me com amor e apaixonado.

Ao longe vemos gaivotas a voar
Felizes no céu como nas ondas do mar.
Escondem os suspiros sob as suas penas. 

Nossos olhares fascinados escutam 
O mar a borbulhar melodias que encantam
Na entrega com amor são sonhos reais…

Maria Lúcia Saraiva

28 de maio de 2018

... PARA LÁ DAS JANELAS...


Imagem - Belissime Immagini


... PARA LÁ DAS JANELAS...


Leva-me para lá das estrelas
Ente o céu de um desejo teu,
Num coração de abraço meu
E vive-me para lá das janelas...

Num eterno beijar 
Troca-me os lábios serenos
Pelo teu salgado amar
E assim seremos plenos...

Num turbilhão instantâneo
Ama-me assim, mais que nunca,
Ente o céu e um desígnio momentâneo
Seremos a fonte que se junca.

Leva-me para lá das estrelas
Ente o céu de uma outra utopia,
Escreve-me pela pele a tua poesia
E vive-me para lá das janelas...

© Ró Mar

TEU CORPO


Imagem: Bellissime Immagini


TEU CORPO


Quero abraçar teu corpo Cinderela,
Ouvir cantar a musa em teu regaço,
Guardar teu lindo nome na lapela,
Fazer amor contigo num abraço.

Dançar com as meninas dos teus olhos,
Num arraial fulgente de langor,
Rasgar o teu vestido de mil folhos,
Tomar-te em meus braços meu amor.

Chamar de meus, teus seios de princesa,
Adormecer feliz nesta certeza,
Que nos vamos amar a vida inteira.

Sonharmos bem juntinhos com desvelo,
Adormecer feliz no teu cabelo,
Sabendo, que tu estás à minha beira.

Abílio Ferradeira de Brito

ONIRISMO


Arte: Kiéra Malone


Onirismo


Esta noite percorri
as longas estradas do silêncio 
(para não te acordar), 
apenas escutando a tua leve respiração, 
levando-te apenas a pureza do vazio 
e à minha chegada tudo vibrou, 
tudo se fez serenidade, 
pureza,
amor puro...

26 de maio de 2018

PELA `BELA FLOR´ DO NOSSO CASTELO


Art by Consuelo Arantes  


PELA `BELA FLOR´ DO NOSSO CASTELO


Dá-me esse teu silêncio
Num sorriso mui aberto,
Tua flor de cerejeira ao olhar,
Cinco estrelas pelos ares
E dar-te-ei o sonhado beijo
Que entrelaçará teu cabelo
Pela `bela flor´ que tão desejo.

Dá-me a conhecer esse amor
Num silêncio que dê que pensar,
Tua flor de laranjeira ao lábio,
Cinco estrelas pelos ares
E dar-te-ei minha mão
Que adormecerá teu coração
Pela `bela flor´ a teu jeito.

Dá-me esse teu silêncio
Num sorriso mui aberto,
Tua flor-de-lis ao peito,
Cinco estrelas pelos ares
E dar-te-ei meu coração
Que será mestre astrolábio
Pela `bela flor´ do nosso castelo.

© RÓ MAR

19 de maio de 2018

A história do miúdo e da miúda - 1º capitulo




A história do miúdo e da miúda - 1º capitulo  


Beijaste-me um sonho! Acordando-me de um pesadelo. Tocaste nesta alma adormecida, cantando-me a melodia que eu já conhecia, mas tinha prometido não voltar a cantar. A música da vida de que eu me fazia esquecida. O meu coração andava ferido. A minha alma defendia-se da dor ocupando-se de uma solidão acompanhada. A minha alma vivia trancada nesse castelo da ilusão. Essa muralha feita de pedras de sofrimento.
Tu chegaste e beijaste-me um sonho, como quem beija um desejo. Deslizaste os teus sonhos sobre a muralha que sem desmoronar despertou o meu coração. Trouxeste-me oxigénio para este corpo que para se manter vivo respirava histórias já vividas de um passado lamentado. Tu tiraste-lhe a respiração com toda a tua emoção abraçando-me sem medos, nem tristezas. Ali só cabiam os nossos sonhos.
Encaixaste cada um dos teus sonhos na minha vida. Encaixaste tudo o que tu eras na verdade, numa realidade que só eu não queria ver. Mostraste-me quem eu era e eu descobri-me nos braços de um amor. Sem pudores despertaste-me a paixão, que eu tinha guardado nas entranhas mais profundas do que eu sou, para que ninguém ousa-se descobri-la ali. 
O meu corpo soltou-se. Deixou que o desejo toma-se conta dele. Chamou pelas borboletas adormecidas que já quase não sabiam dançar o bailado da paixão.
Chegaste e beijaste-me um sonho. Reviraste a minha via. Roubaste-me a timidez e emprestaste-me a ousadia. Chamaste pela minha paixão, e eu beijei-te a boca para que o meu silêncio dissesse tudo o que estava sentindo. Olhei-te nos olhos e percorri o teu corpo sedento de amor. Sorriste-me e apenas disseste cheguei, sem passado e convido-te para o nosso futuro. Trago-te este amor que sentimos e convido-te para o vivermos.
A única resposta que te dei foi mais um beijo que durou uma eternidade. A minha mão deslizou até encontrar a tua e fomos por ali pela rota que a vida nos fez. 
Havia um amor à nossa espera e o sonho era o nosso cúmplice.

 Angela Caboz

5 de maio de 2018

SELEI O AMOR...


Imagem - Amar e ser amado sempre.


Selei o amor…


Com um beijo selei o amor
Que de há muito tinha por ti
E tu e mais o teu humor
Disseste-me: amor eu o senti

Agora que ele está selado
Já não preciso de nele pensar
Belo momento me foi dado
Para agora te poder amar

Mas que belo esse momento
Em que aconteceu a selagem
Agora a todo o tempo
Posso olhar para a tua imagem

Coabito junto contigo
Fazes parte do meu ser
Sabes bem que sou amigo
E a meu lado colherás prazer

Por vezes fico alucinado
Ao olhar no teu olhar
Profundo é o que me é dado
É assim que te quero amar

Dizes-me tão docemente
Que gostas deste meu ser
E eu fico tão contente
E espero não te desmerecer

Sinto-te por vezes a tremer
E junto-te aqui a meu peito
Para mim é grande o prazer
Quando nele teu corpo ajeito

É uma paixão deveras medonha
Que eu sinto de há longo tempo
Qualquer outra na sua carantonha
Jamais me quereria com sentimento

Quero-te pois acariciar
Dar-te tudo o que há em mim
Só assim me poderás amar
Tu flor do meu jardim

Entras em total frenesim
Colho essa tua sensação
Gosto de ti por seres assim
E incendeio-te com paixão

Há uma chama que arde lentamente
Que quase ninguém a consegue ver
Mas para mim que sou contente
Eu a vejo e sempre te quero ter

São desafios que me fazes
Até ao remate final
Tu sabes que me satisfazes
Teu amor não tem outro igual

Habitas assim em meu corpo
E eu gosto tanto que seja assim
Endireito-me não fico torto
Porque de ti sempre estou afim

Há um cirio que me alimenta
Quando olho no teu olhar
Teu corpo logo me tenta
É bonito o nosso amar

29 de abril de 2018

QUERO MAIS




Quero mais


Quero mais um desejo teu
que me faça recordar
o tempo que teima em passar,
que me eleve e me transporte
estrada fora, até ao mar,
e, numa dor que eu suporte,
me faça perder o norte
e teu corpo me deixe alcançar.
Quero mais um sonho teu
que me faça sobrevoar
as dunas calmas do olhar
e me deixe, docemente, envolver
pela brisa do meu navegar
vendo, ao longe, o sol nascer,
e com ele o teu leve respirar.
Quero mais um beijo teu
mesmo que seja em pensamento
quero sentir o som do vento
e, no rosto, o seu soprar
largar as amarras do tempo
partir sem rumo e sem lar
deixando, ao sabor do momento,
a mais bela forma de amar.
Quero tudo e quase nada
daquilo que me podes dar
quero a voz e o silêncio,
a escuridão e o olhar,
quero o som e a melodia
de uma gaivota a voar,
quero o corpo, quero a vida,
quero a alma mais sentida
que o teu peito me pode ofertar 
e com tanto querer, com fervor,
quero que deixes, dançando, no ar,
a mais bela forma de amor
que alguém poderá inventar!...

Mário Filipe Neves

26 de março de 2018

AMAR-TE É...


Arte: Christopher Cart Tutt'Art@ (39) 


AMAR-TE É...


Amar-te é...
deleite
paixão
entrega da alma
sem pedir nada
prazer intenso
cor e luz
vida em tropel
desalinho no coração
vontade de brincar
gostar de abraçar-te-me

Amar-te é o mais belo
e leve
dos compromissos
que assumi...

É desígnio de vida...
a Esperança a renascer
e cumprir 
a mais nobre missão...
... ser feliz...
fazendo-te feliz 
também...

Hamilton Ramos Afonso

13 de fevereiro de 2018

MISTÉRIOS DA NOITE


Ilustração obra do pintor: Hamish Blakely


MISTÉRIOS DA NOITE


A noite! Clama pelo brilho
Dos teus olhos e o fado
De eternas emoções
Que me deixa hipnotizado
Por estranhas sensações
A noite! Atrai o meu ser
Para a tua volúpia ancestral
Num êxtase de prazer
Este meu corpo mortal
A noite! Coroa-se rainha
Do velho mistério 
Enquanto vagueias sozinha
No enigma do divino império
A noite! Traz o sonho
Sublime à minha mente
Ao poema que componho 
Com matriz eloquente
A noite! Liberta o pudor
E os beijos sagrados
Com receita de doce sabor
Deixando os lábios melados
Exibindo o nosso esplendor
De corpos apaixonados
A noite! Clama pela cor
Da rosa rubra da paixão
E pelo teu divino amor
Fermentado no coração
A noite! Acende o desejo
Deixando-me sem rumo
No teu corpo que beijo
A noite! Exibe a lua eterna 
Que enfeitiça o nosso ser
Com este simples poema
Composto ao anoitecer
A noite! Eclode a inspiração
Sobre o que vou escrever
E exalta a humana condição
Que não consegues esconder
A noite! Desperta a emoção
Que precisamos para viver
A noite! Revela mistérios
Que não conseguimos ver.

Joaquim Jorge de Oliveira

11 de fevereiro de 2018

SENTI TEU AMAR


Imagem - Bellissime Immagini 


SENTI TEU AMAR


Minha saudade é sorriso lindo,
Amor brejeiro, um dia colorido
Que inventou sol à face do amigo
E o meu coração parte contigo.

Lindo dia de açucenas que trazias
Em regaço. Minha alma gémea, ser
De paixão, soletrando poesias
Num olhar que me concebia mulher.

Minha saudade é luz dum universo
Diferente, vento azul soalheiro
Que diz: vale a pena aquele verso.

Lindo o teu olhar de verde respirar
Que dizia: o coração é conselheiro.
E ao seu colo embalei e senti teu amar.

© Ró Mar 

TEUS LÁBIOS...


Imagem - Bellissime Immagini


Teus lábios…


Em teus lábios suculentos
Depositei um beijo meu
Que beleza de momentos
Acabar com meus tormentos
Já nem sei o que aconteceu

Lambi-te os lábios com jeito
Com os meus lábios nos teus
Dei-te alguns beijos a preceito
Elevei assim o meu preito
Ao amor, ai meu deus

Despertei os teus sentidos
Para um amor de tão real
Em teus olhos vi vertidos
Os olhares mais vividos
Nesse teu olhar tão sensual

Ponderei o teu pulsar
Nas pancadas do coração
Num momento de se amar
Por de ti estar a gostar
Já que tu és minha paixão

Há momentos tão ternurentos
Que eu sinto em mim a passar
Quem me dera por momentos
Ousar ter certos atrevimentos
E dizer-te o quanto quero amar

Armindo Loureiro 


SINTO-TE



SINTO-TE


No aroma dos jardins e no néctar sugado pelas abelhas na primavera
Na carícia do vento e em cada folha que cai
No cume das montanhas, onde a natureza me abraça
Nos silvados de amoras bravas e nos laranjais
Sinto-te
Nas águas de uma nascente, no silêncio e no canto das aves
No extenso azul do mar
No rendilhado da espuma branca que morre no areal
Nos barcos vazios atracados no cais
Sinto-te
Nos ventos que trazem o cheiro a maresia
Nas gaivotas que se erguem em pleno voo
Nas nuvens de algodão que se movem lentas no céu
No luar das noites transparentes e nas estrelas cintilantes, onde pouso o olhar
Nos sons da água que corre em cascata 
Nos nenúfares que flutuam nos lagos, no botão a desabrochar
Sinto-te
Nas paredes grafitadas das ruas que percorro
Nas insólitas sombras, nos passos andados 
Em cada alvorecer, nos raios de sol que me vêm beijar 
Na chuva que canta no telhado e desliza pela vidraça
Nas melodias escutadas, na letra de cada canção
Nos poemas que escrevo com o coração
Sinto-te
No sol que desaparece lentamente no horizonte
No silêncio das noites que caem devagar
Na palidez das paredes do meu quarto, onde o meu corpo se despe
Sinto-te
Em todos os meus sonhos e nas madrugadas de saudade
Sinto-te...
Porque te lembro, em todos os lugares e instantes…
Apenas... sinto-te...

Lurdes Rebelo

9 de fevereiro de 2018

AMO-TE ASSIM...




Amo-te assim…


É na ponta dos meus dedos
Que minh’alma transparece
Desaparecem todos os medos
Quando trabalho teus enredos
É de quem por ti se compadece

Escrevo em cima da tua pele
O melhor do meu pensamento
E que os dedos ninguém repele
E os meus lábios os teus sele
Para o fazer com sentimento

Um trabalho tão exemplar
Só podia passar pelos meus dedos
Agora que eu te quero vir a amar
Não tenho tempo para esperar
Acontecem-me belos enredos

Vejo-te na ternura do meu olhar
Como algo que eu quero ter
Na ponta dos dedos tu vais gostar
Da franqueza do meu amar
E do que eu digo do teu ser

Digo-o com grande pontaria
Nos dedos me apraz registar
Tu és tudo, tu és essa alegria
E eu registo toda a magia
Que de sempre quero amar

Armindo Loureiro

24 de janeiro de 2018

POEMA EM NÓS...


Arte: alexey tchernigin 


Poema em nós...


Recebi, de manhã
a folha em branco
do teu corpo
ao acordares, 
com o teu rosto
banhado de luz 
do mais gaiato 
sorriso...

Num abraço
onde as palavras 
se calam 
por desnecessárias 
escrevi o mais belo
poema de amor
sem palavras
onde os gestos, 
a força da troca 
de afecto,
a ternura dos olhares
cúmplices e ternos,
foram o bastante
para entender
as entrelinhas, 
essas sim cheias 
de sentido, 
de amor,
de paixão,
de luxuria e prazer
que só duas almas 
que se pertencem 
são capazes 
de escrever

E o poema
que quis escrever
na folha branca 
do teu corpo, 
tornou-se
no mais belo
poema 
a quatro mãos...

Hamilton Ramos Afonso