11 de novembro de 2016

... NUANCES DE FLORES




... NUANCES DE FLORES


entregar-te-ei o meu corpo em nuances de flores
para que escutes na melodia dos ventos 
os ecos de todas as sombras das minhas cores
são essências abertas às mantas das pétalas
sedutoras e explosivas num silêncio sem som
no completo canto de um silêncio quase emitido
porque se escutam as sementes a vencer
na abertura da terra o universo a presenciar
o meu corpo te entrego sem cor por te amar

*amor incondicional

Ana Carvalhosa 


10 de novembro de 2016

UM DIA DE OUTONO




“UM DIA DE OUTONO”


Na tua boca virginal, bela e cheia de pejo,
Nos teus lábios plenos de desejo e emoção
Dei um profundo demorado e longo beijo
Que até penso que nos chegou ao coração!

Era a hora em que as gaivotas vão passando
Em altos e amplos voos para os seus ninhos;
Éramos acariciados por um vento brando
Enquanto nos mimávamos com carinhos.

Teus cabelos eram pedaços de sol desfiados
Que eu, feliz, conseguia suster na minha mão.
Na areia ficavam as pegadas da nossa união.

Regressamos a casa na calma e descansados;
Passou-se mais um dia de Outono, frio agora;
Não arrefeceu a paixão que no coração mora!

Alfredo Costa Pereira

6 de novembro de 2016

POR TODO CANTO




Por Todo Canto


Por toda chama que me queima
Por todo o corpo ardo em combustão
O amor mais rico meu canto poema
Escritor do meu templo e coração
Nomeio-o mais lindo nome que chamo
Nas rimas que o vento suave chapisca
Nas riscas do tempo apressado te amo
Na condição da poesia cujo destino risca
No topo do conjunto o mel puro encanto
Em total liberdade na forte estrutura 
Na fonte do verso varonil onde me pranto
O doce costume faz do beijo mais bento

Por todo canto da boca adocicada loucura
Na longitude da alma amor é pecado isento.

Son Dos Poemas 
Sônia Gonçalves


2 de novembro de 2016

JARDIM DOS MEUS BRAÇOS




Jardim dos meus braços


Do jardim dos meu braços
nasce e germina um amor perfeito
sempre que docemente descansas a
tua cabeça, recostando-a no meu peito

Os afagos de que o desejo se alimenta
despertam a vontade do beijo que sofregamente nos damos, 
perlando os nossos rostos com gotículas de sal
enquanto as nossas roupas lentamente juncam o chão.

Misturas de cheiros, de suor de dois corpos em êxtase,
levam ao clímax ansiado em espasmos síncronos de músculos 
e mentes em lassidão prazerosa e então abandonas-te dolente
e satisfeita no jardim dos meus braços.

Hamilton Ramos Afonso