17 de julho de 2015

APENAS


Imagem - autor desconhecido


APENAS


Quero um par de mãos atreladas às minhas,
incitando-me a romper as fobias, arrojar-me
para a vida...
Necessito de um novo rumo, abolir o exílio no...
qual encarcerei meu coração...
Deveras as portas descerradas e a alma cativa
em um corpo liberto.
Anseio em aliviar o fulgor que transpassa os poros,
afogueando a pele, inquietando a solidão.
Careço de um novo recomeço,extirpar meus temores,
abraçar a vida, breve e imprevista por vezes ceifadas,
apáticas e desiludidas...
Sonhos interrompidos, as lembranças no vazio, o presente
martírios...
Hoje quero viver, exaurir os meus silêncios, extravasar toda
a ternura da lua em meu olhar...
Dissipar minhas fragilidades, reaprender a amar...
Permitir que as feridas cicatrizadas não tornem a regressar.
Sou uma andorinha liberta, a procura de um ninho para
me aninhar, ser livre para para revoar, doar meus carinhos para alguém que saiba amar...

Rosely Andreassa