7 de maio de 2015

CONTROVÉRSIAS




CONTROVÉRSIAS



Extenuada pela ansiedade em ouvir seu coração
descompassado,deferir a meiguice ao pronunciar 
amo-te...
Entre devaneios desperto com os espinhos das rosas
murchas, lesando o meu corpo...
Aflita tateio no escuro, meus pés deslizam sobre cacos,
sentimentos partidos, fragmentados em pedaços.
Perdida nesse espaço,aprisionando-te na saudade...

Por vezes sinto meu corpo de papel em suas mãos...
Lágrimas de amêndoas maduras umedecem 
a moldura, eu toda nua, apenas sua...
Mas subitamente a melancolia se faz presente,
limitando nossas mentes com suspeitas...
Adentramos por janelas, abismos desconhecidos,
causadores de conflitos, amarguras na alma...

Tranquilize meu coração, segure as minhas mão,
conduza-me por caminhos que não seja a solidão.
Não permita que a ausência resfrie a paixão, isolando
duas almas, amarguradas separadas, carentes de carícias,
amor e dedicação.
A brevidade do tempo não espera,quero-te agora, necessito 
sem demora dizer-te amo você!

Rosely Andreassa