8 de novembro de 2015

A GRUTA DE DESEJO AMANHECE...


Imagem- Talana


A GRUTA DE DESEJO AMANHECE...


A gruta de desejo amanhece...
Cascata que rendilha seios e rasga as vestes no sal que volúpia a saliva
E silencia-se a voz no cintilar do olhar madrepérola...
Corisco que dedilha a pele e clama o ventre dos poros e enlouquece.

Os cabelos voam ao vento no raio da estrela
Que a noite seduziu, em taças de água cristalina,
E a natureza cresce viscosa e de aroma a mel de açucena,
Algo de excitante, ’favos’ que se degustam, a seiva.

E, ouve-se o eco e o amor espelha-se nas águas, paradisíaca mina 
Que cintila e luz a ouro, um mundo no clarão
Que incendeia e floresce o coração.

A Gruta de desejo amanhece...
Na serena e rubra face de lua que fecundou o óvulo da jovialidade 
Na casta natureza que a noite brindou a felicidade.

© RÓ MAR